Você sabe o que é o Transtorno de Estresse Pós-Traumático?

Vidas despedaçadas pela dor da perda dos familiares e perda do rumo da vida.
Thoughtful woman at home - copyspace

Vamos tomar como exemplo, a tragédia que ocorreu em Brumadinho-MG, recentemente.

Não levando em conta os motivos pelos quais aconteceu essa tragédia, vamos abordar as consequências psíquicas sofridas por aquelas pessoas.

Em primeiro lugar, diante de um acontecimento tão trágico, nos vemos chocados e paralisados, isso porque estamos de longe a acompanhar tamanha catástrofe.

Aqueles que estão próximos, diretamente afetados por familiares desaparecidos, alguns já com atestados de óbito é imensurável a dor que avassala tantas pessoas.

Então, nessas horas entra em ação o trabalho dos psicólogos e tantos outros profissionais. Embora, nessa hora, qualquer ajuda com sentimento genuíno de solidariedade é muito bem vinda!

E exemplos temos aos montes, pessoas que se solidarizam lavando as roupas embarreadas dos bombeiros que prestam um trabalho dia e noite de socorro e resgate de vítimas.

Que lindo de se ver tanto amor e desprendimento!

Você imagina depois de um dia inteiro rastejando naquela lama, chegar exausto e no dia seguinte vestir a mesma roupa enlameada?

Esses heróis merecem nosso apoio, cuidado e carinho, porque no dia seguinte, cedinho, de novo estão rastejando na lama dos rejeitos da mineradora.

É com um carinho de mãe, de família que recebem as suas roupas limpas para nesse momento resgatar corpos para que as famílias os sepultem dignamente como tem que ser.

É impossível mensurarmos a dor dessas famílias. E sejamos muito sinceros uma dor que vai demorar a passar. É um trauma tão terrível para essas pessoas.

O Transtorno do Estresse Pós-traumático tem seu campo psíquico numa situação como essa de Brumadinho.

As pessoas estavam vivendo suas rotinas, no ambiente de trabalho, horário do almoço, e de repente desaba a barragem com toda sua força arrastando tudo!

Um acontecimento inesperado, abrupto, terrível e quem o Senhor Deus permitiu sobreviver, não existe outra definição: um milagre!

Os sobreviventes agora enfrentam outra guerra interna. A angústia, a dor, a depressão, as cenas que se repetem incessantemente diante de seus olhos dia e noite. 

Comer? Cadê o apetite? Dormir? Como?

O sono não vem e quando literalmente apagam pelo cansaço físico, sonhos e tormentos invadem seus sonos. E acordam desalentados e sem energia para continuar a vida.

Só se vê dor no olhar, olhos lacrimejados, uma tristeza profunda. E com o passar do tempo apresentam ansiedade generalizada, o medo vem com força tomando conta do seu psiquismo.

O que se pode fazer por essas pessoas? Abrace, acolha, ouça o que tem a dizer. Fique por perto, faça com que sintam que estão juntas, acolhidas e respeitadas. Não precisa falar nada, seja somente ouvidos para ouvir a dor do outro.

Vidas despedaçadas pela dor da perda dos familiares e perda do rumo da vida. Porque naquele lugar a maioria das pessoas dependiam daquele emprego, daquela mineradora para sobreviver.

Outros perderam suas plantações, seu gado leiteiro, seus animais domésticos. Perderam tudo!

Como viver agora? Essa é a pergunta? Pra onde vou? O que vou fazer da minha vida? Perderam seus documentos, roupas, casa, perderam suas identidades, perderam seus sonhos.

O que move o ser humano são os sonhos. Cada um envolvido nessa tragédia tinha uma vida, um sonho e de repente tudo acabou. Como não sofrer? Como não se sentir tocado, mesmo de longe, por essa tragédia?

Os dias agora vão passando, pálidos, silenciosos e aos poucos vai crescendo a certeza dentro do coração de que muitos amigos que desapareceram não serão encontrados. E isso é doloroso!

Também com o passar dos dias, as pessoas envolvidas vão sentindo coisas que antes não sentiam: uma ansiedade que invade o peito, o coração que acelera descompassadamente, as mãos que tremem, o suor que insiste em vir de forma descontrolada, a insônia, a depressão, o pânico, e tudo isso num reviver constante.

Como achar energia para recomeçar, de onde, pra onde?  Essas são as perguntas que martelam dentro da cabeça dessas pessoas.

E os pensamentos que comandam nosso agir estão em desequilíbrio, estão acelerados, estão sem nexo. Estamos diante do estresse pós-traumático.

Aquelas pessoas precisam de ajuda não só agora, nesse momento difícil. Precisam de tratamento a longo prazo, de psicólogos, de psiquiatras, precisam sim ser medicadas. É impossível sozinhas retomarem suas próprias vidas.

Pais que perderam filhos. Filhos que perderam pais. Amigos que perderam amigos.

Diante da dor da morte de um ente querido não há explicação. A não ser a fé em Deus. E essa fé também precisa ser encorajada, precisa ter força, porque sabemos que até a fé costuma estar abalada.

A psicologia trabalha também com o fortalecimento da fé. O psicólogo apura seus ouvidos para ouvir a dor do outro, media caminhos, soluções, para ajudar as pessoas a prosseguirem, a irem em frente, a renascerem da dor.

O psiquiatra medica para ajudar as pessoas em crise.

A Assistência Social vai atuar amparando e criando mecanismos para as pessoas terem o mínimo de dignidade, provendo alimentos, roupas e o necessário.

Tão bonito assistirmos a solidariedade do ser humano. Quanta coisa bonita aconteceu em meio a essa tragédia. Seguimos continuando com a certeza de que vale a pena lutar, vale a pena renascer para uma nova vida.

Desejo paz a todos os envolvidos nessa tragédia!

Até mais.

Psicóloga Rosânia Guimarães

Leia também: Você Sabe o Que é e Como Tratar o Transtorno de Estresse Pós-Traumático?

RosâniaRosânia de Fátima Guimarães Coaracy Muniz, psicóloga CRP 01/11302.

Atua na clínica atendendo crianças, adolescentes e adultos e faz avaliação neuropsicológica em Brasília/DF.

Contatos: email: rosania1.muniz@gmail.com

Fanpage: https://www.facebook.com/entendendoaansiedade

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 5 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura e Co-Fundador do Instituto de Terapia Online, que capacita e certifica profissionais para atuarem online de acordo como o CFP.

Artigos recentes