Skip to main content
Vergonha

Vergonha: Um Sentimento Que Aprisiona os Homens. Saiba Mais Aqui!

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Olá queridos leitores, Vergonha

Já estamos no final do mês e quero dedicar o tema desse texto ao universo masculino.

É claro que as mulheres também estão convidadas à leitura, pois podem refletir sobre algumas crenças que possuem sobre os homens e repensarem nas suas atitudes enquanto mãe, esposa, filha, etc.

No dia 15 de julho é celebrado no Brasil o Dia do Homem, data escolhida para incentivá-los a cuidarem mais de sua saúde. 

Esta foi uma proposta da Ordem Nacional dos escritores, em 1992, e posteriormente, em 1999, o médico Jerome Teelucksingh sugeriu que a ONU colocasse em destaque a saúde do gênero masculino à comunidade internacional.

Essa preocupação revela-se pelas razões dos homens se mostrarem menos zelosos à saúde do seu corpo que as mulheres; não fazerem exames médicos com a frequência recomendada; e se envolverem mais em brigas e em acidentes de trânsito. Vergonha

Outro objetivo desta data é a reflexão sobre a igualdade de gêneros, procurando trazer uma nova leitura sobre os estereótipos criados para o gênero masculino.

Como psicóloga e também promotora de saúde e qualidade de vida, a minha inquietação consiste também na falta de cuidado pela saúde mental e emocional – algo que precisamos discutir.

Apenas diferenciando, a saúde mental , segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é um estado de bem-estar no qual o indivíduo percebe o seu próprio potencial, é capaz de lidar com o stress normal da vida, trabalhar de forma produtiva e frutífera e de dar um contributo para a sua comunidade.

Vergonha E a saúde emocional refere-se a ser capaz de construir estratégias para lidar com aquilo que causa desconforto.

Vergonha
Vergonha

Portanto é o que buscamos contribuir para o desenvolvimento de todas as pessoas: bem-estar físico, emocional e maneiras de lidarem com as suas dificuldades.

E já que estamos falando da saúde do homem, algo que me motivou a escrever este texto foi um livro que eu li chamado A Coragem de Ser Imperfeito, de Brené Brown.

Ela é uma pesquisadora americana que buscou entender um pouco mais sobre o sentimento da vergonha; inicialmente nas mulheres, depois nos homens.

Tudo aconteceu quando, após assistir a sua palestra, um homem a abordou perguntando o que ela poderia concluir sobre a vergonha no sexo masculino.

Ela não sabia responder e ele continuou: Vergonha

-Nós temos vergonha. Uma vergonha profunda. Mas quando a reconhecemos e contamos a nossa história não encontramos apoio.

Assim ela se aprofundou mais neste tema e concluiu que a vergonha é um sentimento universal e humano, mas que as mensagens e as expectativas diferem entre homens e mulheres.

E o que a vergonha tem a ver com este texto?

Vergonha
Vergonha

É a partir dela que muitas pessoas evitam expor as suas emoções, o que sentem em relação a algumas situações, a mostrarem os seus erros e defeitos e a terem medo do fracasso.

Apesar de ser uma situação comum em muitas mulheres, essa dificuldade é mais observada nos homens.

Justamente porque foram pouco incentivados a se expressarem e a falarem sobre si.

E quando faziam isso, eram chamados e escutavam palavras e frases como “mariquinhas”, “isso é coisa de menina”, “homem não chora”, entre outras.

E isso traz a eles a sensação de fraqueza e incapacidade.

Hoje em dia as meninas também estão sendo criadas para terem uma carreira promissora, quando antigamente eram criadas para serem donas de casa, esposas devotadas e mães exemplares.

Agora a mulher também desenvolveu a tarefa de contribuir com os custos da casa e dos filhos junto com o seu parceiro.

Mas vamos observar: apesar das mudanças ocorridas em nossa sociedade com a entrada da mulher no mercado de trabalho, caso ela dedique o seu tempo a sua família, ou por acaso fique alguns meses desempregada, ela ainda é acolhida pelos seus familiares e amigos.

Vergonha Porém quando isso acontece ao marido, ao pai de família, é visto como algo inaceitável.

Vergonha
Vergonha

-Quer dizer que você cuida da casa e das crianças e ela trabalha. Em que mais ela manda em você?

-Ele deve se sentir tão inferior nesta condição.

-Onde já se viu um homem ser sustentado pela mulher?

Percebem todas essas mensagens agressivas ao sexo masculino?

Como eles podem lidar com esses julgamentos se foram inibidos de falarem sobre as suas emoções e sentimentos?

Essa inibição, muitas vezes aprendida na infância, já repercute na idade adulta quando ficam com raiva de uma colocação que o chefe fez sobre o seu trabalho; ao se sentirem inseguros por receberem o “não” da mulher que eles estão interessados; e de mostrarem o seus medos de serem considerados fracassados para a sua família.

Outras frases, expostas no livro que citei, ditas por alguns homens sobre o que é vergonha são:

“A vergonha acontece quando as pessoas pensam que você é fraco. É humilhante e vergonhoso não ser visto como alguém durão.”

“Revelar qualquer fraqueza é vergonhoso.”

“Demonstrar medo é vergonhoso. Não podemos demonstrar medo. Não podemos ter medo. Não importa de quê.”

“Vergonha é o fracasso. No trabalho. No campo de futebol. No casamento. Na cama. Com as finanças. Com os filhos. Não importa onde, vergonha é fracasso.”

Ainda em seu livro, Brené Brown, comenta que quando eles não sabem lidar com a vergonha, mostram-se irritados ou retraídos, pois se sentem insignificantes.

Vergonha Assim, preferem esconder os sentimentos, fazem brincadeiras e mostram que não se importam, ou transformam a tristeza que sentem, por exemplo, em raiva, ao invés de vivenciá-la.

Vergonha
Vergonha

Para eles é difícil sentir dor já que eles não foram encorajados a senti-la.

Hoje percebo que a criação dos meninos mostra-se mais acolhedora que na época de seus pais e avós, permitindo ainda criança que ele chore, que ele conte para a mamãe ou para a professora quando algum colega o irritar.

Felizmente eles estão falando um pouco mais de seus sentimentos e sendo mais sinceros consigo mesmos.

Mas é importante que essa abordagem ainda continue quando forem crianças maiores, na adolescência e ao se tornarem adultos, para que desenvolvam mais facilmente o cuidado com a sua saúde emocional e possam buscar estratégias com aquilo que lhes trazem desconforto.

Como nós, homens e mulheres, podemos agir com o sentimento de vergonha da outra pessoa?

A Comunicação Não-Violenta nos ensina a acolher os sentimentos das pessoas quando elas querem conversar com a gente, a ouvi-las e a nos colocarmos no lugar delas, evitando julgamentos, chacotas e comentários destrutivos.

O que ele, ou qualquer outra pessoa que tenha dificuldade de falar sobre as suas experiências, te falar é porque significa que precisa de ajuda e que você foi o voto de confiança dele.

Não é necessário estragar esse momento com algumas risadas ou falas “mas você é homem, você é forte”.

Apenas demonstre que ele pode contar com você e que não é feio ele pedir ajuda.

Espero que esse texto encoraje a todos, não apenas aos homens, a se disporem mais emocionalmente, a procurarem tratamentos médicos e psicológicos quando necessário, e a repensarem em como acolhem os seus familiares e amigos.

Veja esse vídeo para complementar a sua leitura!

Psicóloga Clínica. Atendimento psicoterápico a adolescentes adultos e grupos. E atendimento voluntário a pessoas vítimas de violência. Faz curso de Hipnose Ericksoniana pelo Instituto Milton Hyland Erickson (IMHE) de Brasília – DF.

Contatos:

Telefone: (61)983750326

E-mail: tamiresfmm.psicologa@gmail.com

página no Facebook: Sinta, se expresse e comunique.

Página no Instagram: https://www.instagram.com/tamiresfmm.psicologa/

Carlos Costa

Psicólogo (CRP 06/122657), Coach, Empreendedor, Músico e Poeta. Idealizador do projeto O Psicólogo Online que tem por objetivo produzir conteúdo informativo e educativo sobre psicologia, saúde mental e assuntos relacionados, além de prestar serviços de orientação psicológica online.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.