Skip to main content
ser mãe de uma pessoa com esquizofrenia

Os Desafios de Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia!

Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Ser mãe de uma pessoa com esquizofrenia

Ser mãe é uma das grandes dádivas do mundo (está certo, para algumas pessoas não é, mas tudo bem!).

Ser mãe é padecer no paraíso como escutamos muito!

As mães sorriem, choram, estão ao lado dos seus filhos, pequenos ou não. Mães são para sempre, cada uma no seu estilo.

Algumas são mais rígidas, outras mais permissivas. Existem mães com ou sem açúcar!

Mas, por que estou falando das mães? Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia

Porque as mães já são especiais somente pelo fato de serem mães, porém quando são mães de pessoas que tem esquizofrenia, essa proporção é muito maior!!

A mãe de um filho (a) que tem esquizofrenia vai passar por muitas provas, muitas dores, vai sofrer junto com seu filhote.

No entanto, esta mãe é extremamente guerreira e forte, como a maioria das mães, sim, como as mães que tem filhos com outros transtornos também.

Entretanto, conviver com a esquizofrenia não é para qualquer um.

Viver pisando em ovos, sem saber como será o dia de amanhã é uma grande e difícil tarefa.

Hoje o familiar está bem, daqui a meia hora tudo mudou e lá vai a mãe buscar ajuda, tentar resolver ou encontrar alguma coisa que amenize o sofrimento que vê no seu familiar.

A mãe que convive com a esquizofrenia de um filho está sempre como os escoteiros: “Sempre alerta!”.

Qualquer sinal diferente já as preocupa e pode colocar a estabilização em risco.

Sem falarmos nas expectativas, nos sonhos que toda mãe tem para seus filhotes. Qual a mãe que não gostaria de ver seu filho(a) casado, formado, ter netos…?

Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia Essa mãe precisará lidar com suas frustrações e decepções, precisará ser forte para apoiar seu filho, precisará esconder, driblar suas dores e angústias pelo bem deles.

Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia

Ser mãe de uma pessoa com esquizofrenia
Ser mãe de uma pessoa com esquizofrenia

Nem sempre é fácil, aliás nunca é fácil! Mas sabia que elas conseguem?

Sim, elas são fortes como uma rocha, às vezes cansam, choram, precisam desabafar e colocar suas dores para fora, mas logo estão de volta ao seu posto de “super mães”!

Uma mãe de uma pessoa que tem esquizofrenia precisa encontrar tempo para ela, para casa, trabalho, família, cuidados com seu filho e tudo mais.

Entretanto muitas dessas mães estão sozinhas com todas essas funções e cargas e por isso podem ficar mais vulneráveis, sensíveis e precisando de um colo, de atenção e cuidado também.

Aliás, as mães também precisam de cuidado, viu! E como! Carregam muitas responsabilidades e compromissos nas costas! Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia

Se o filho surtar é culpa delas, se fizer algo errado é culpa da mãe, tem o transtorno, foi culpa da mãe é claro!

Ah, e muitas ainda são abandonadas pelos maridos, pois eles não aguentam “não conseguem suportar viver com o filho assim…”

Família? Raras exceções vemos maridos, irmãos e demais familiares auxiliarem quando se descobre a esquizofrenia, sobrando tudo para quem? A mãe, obvio!

Muitas delas, a maioria, não reclama por cuidar do filhote. Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia

Elas jamais cogitaram abandonar eles, deixar com outras pessoas, seguir sua vida longe deles, só porque tem a esquizofrenia.

Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia Entretanto a mãe fica doente, se sobrecarrega, sofre muito por ver seu filho sofrendo e por não poder tirar ou curar essa dor.

Elas passam por tantas aflições, medos, raiva, culpas.

Medo do filho surtar novamente, de não conseguir mais o remédio pelo SUS, o que não é raro acontecer no nosso país, não é mesmo?

E daí lá vai a mãe, tirar dinheiro não se sabe de onde, trabalhar o triplo, “se virar nos 30” para não deixar seu filho sem medicação.

O apego e dependência desses filhos é enorme. Muitas mães precisam parar de trabalhar para se dedicarem 100% aos filhos.

Muitas não conseguem separar um tempo para elas, para sair com as amigas, namorar, dar uma volta no shopping, fazer compras, viajar nem se fala!

E será que essas mães deixam de amar seus filhos? O amor por eles diminui ou é diferente do que pelos outros filhos?

Lógico que não! Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia

Essas mães leoas não discriminam seus pequenos (para elas serão sempre crianças!), lutam por direitos melhores para eles, fazem tudo por eles com muito amor e dedicação, mesmo quando eles estão mais distantes, ou não conseguem retribuir o afeto, característica do transtorno.

No início do transtorno tudo é mais complicado. Não se aceita a doença, não se sabe como conviver e lidar com o familiar.

A culpa é enorme, o medo existe sim. O preconceito é uma barreira que precisa ser vencida.

E posso afirmar que tudo isso que falei acima acontece e é normal.

As mães nunca devem se culpar por se sentir frustradas, por ter medo, por ficarem com raiva ou cansadas em muitos momentos.

Ser mãe de uma pessoa com esquizofrenia
Ser mãe de uma pessoa com esquizofrenia

Afinal, como eu sempre digo: ninguém é de ferro, nem mesmo as mães de quem tem esquizofrenia!

Posso garantir também que para a maioria das mães essa fase passa. Percebem que o melhor para seus filhos é estar ao lado deles, apoiá-los, entender o que acontece e buscar juntos a melhor maneira de conviver com a esquizofrenia.

Não é uma batalha fácil e nem rápida, mas é possível sim.

Após a fase inicial as mães juntam seus pedaços, se preparam para a guerra e seguem para suas batalhas diárias.

Em alguns momentos estarão mais sensíveis, mais choronas, mas quem não estaria diante de tantas dificuldades, de tantos altos e baixos?

E como essas mães conseguem vencer?

Elas têm uma força fora do normal! Buscam incansavelmente o melhor para os seus filhos, como eles podem vivem melhor, com melhor qualidade de vida, que eles estejam bem e felizes, e geralmente esquecem de si mesmas.

As mães de pessoas que tem esquizofrenia se satisfazem em vê-los bem e felizes, isso é felicidade para elas.

Vê-los tranquilos, sem crises, sem sofrer é o que deixa a mãe feliz.

Mas eu não poderia deixar de dizer para você mãe, que você também precisa se cuidar, olhar um pouquinho que seja para si mesma, ter um momento seu, um espaço seu para recarregar suas energias, buscar forças, para desabafar.

Mães, não deixem de participar de grupos para familiares, pois eles contribuem muito para sua saúde mental, para seu bem estar, trazendo dicas e estratégias para lidar melhor com os imprevistos do dia a dia na esquizofrenia.

Separem um tempo para vocês, de verdade!

Ser Mãe de Uma Pessoa Com Esquizofrenia Se você se cuidar poderá cuidar melhor do seu filho(a), terá mais alegria, mais vontade de seguir seu caminho.

Comece, mesmo que seja tirando uns minutos para ler, para deitar, o que te fizer bem, você verá que fará diferença!

Te convido a fazer esse teste e depois me contar como foi, ficarei muito feliz em ouvir sua resposta!

Grande abraço e até mais!

Daniela

Transtorno mentalDaniela da Silva – Psicóloga com Orientação Psicanalítica (CRP 07/23218). Atua nas cidades de Cachoeirinha e Gravataí/RS, como Psicóloga Clínica e também palestrante.

Atendimento direcionado para familiares de pessoas que tem esquizofrenia; relações familiares- pais e filhos.

Email: danipsicologa@outlook.com;

Facebook: Psicóloga Daniela da Silva

Instagram: psicologa_danieladasilva;

Tel / WhatsApp: 51-84059491;

Blog: www.alemdaesquizofrenia.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.