Skip to main content
Recursos humanos

Recursos Humanos: O Guia Completo Sobre o RH Nos Dias Atuais!

Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Recursos Humanos

Nos últimos tempos o mundo mudou, principalmente no âmbito do trabalho. Muitas mudanças abarcam as empresas e as organizações.

A partir disso, este artigo tem como objetivo elaborar uma reflexão sobre as mudanças que afetam os recursos humanos nos tempos atuais.

Para discutirmos as mudanças neste setor, vamos voltar no tempo para discutirmos sobre a Psicologia do Trabalho, esta que é oriunda da Psicologia Industrial.

Nascida no século XX, a Psicologia Industrial voltava seu olhar para o homem como um mero objeto.

Com o Taylorismo, desenvolvido pelo engenheiro americano Frederick W. Taylor, cujo seu objetivo era a organização e a divisão das tarefas, visando o máximo de rendimento dos funcionários nas atividades, o psicólogo pautava seu olhar em um processo sistêmico de seleção.

Neste processo, uso de testes psicológicos era visto como a maior ferramenta do psicólogo. Recursos Humanos

A Psicologia foi se modificando ao longo dos anos, até mesmo porque o pensamento sistêmico e a rotulação de que o homem era um “corpo adestrado” foram perdendo força, dando margem para o fator social humano.

Este fator está relacionado ao que nos motiva, o que nos proporciona sentido.

“Foi através do psicólogo Elton Mayo que o ser humano foi visto dentro do seu âmbito de trabalho”.

A partir daí a Psicologia Organizacional foi tomando outras formas. Recursos Humanos

A psicologia organizacional e do trabalho teve que tomar outras formas!
A psicologia organizacional e do trabalho teve que tomar outras formas!

O comportamento humano começou a ser levado em consideração, evoluindo a Psicologia Organizacional levando ela de um estágio que tem o olhar voltado para seleção de pessoas, para uma Psicologia que hoje discute e aguça seus sentidos para os temas que permeiam a modernidade.

A comunicação, a liderança, o desenvolvimento de equipes, a gestão de pessoas, a gestão de conflitos e principalmente a saúde do trabalhador são temas de grande importância na atual conjuntura dentro do setor de RH.

É fato que não deixamos de exercer as funções básicas de um psicólogo dentro deste setor: o recrutamento e a seleção são as heranças da nossa antiga Psicologia Industrial.

Entretanto é dever do psicólogo se “reciclar” a fim de promover mudanças, estas com novo sentido tanto para a empresa quanto para o colaborador

Promover mudanças exige do profissional de Psicologia ou o Gestor de Recursos Humanos certa sensibilidade.

A qual é um fator de extrema importância para estes profissionais que lidam com pessoas.

O RH é o coração de toda empresa, e o colaborador o vê como tal, consequentemente ele é responsável hoje pelas queixas, pelos elogios, pelas contratações e pelas demissões.

Tudo passa pelo RH e este setor, além de lidar com pessoas, lida com a empresa como um todo.

Além de dar andamentos nas tarefas básicas, hoje o profissional de RH deve ter criatividade para promover as mudanças pertinentes para a empresa bem como para o colaborador. Recursos Humanos

Recomendo que você leia também: Qual a Importância do “feeling” Para o Exercício da Liderança?

Um dos fatores que surgem hoje dentro das empresas, cobrando do RH uma postura diversificada é a compreensão de conflito, ou melhor, a gestão de conflitos. Recursos Humanos

O profissional de Recursos Humanos tem que saber lidar com os conflitos!
O profissional de Recursos Humanos tem que saber lidar com os conflitos!

Vivemos em constante conflito, entre nós mesmos e entre nós e os outros com quem nos relacionamos.

Contudo quando não administramos o conflito ele se alastra para todos os âmbitos da nossa vida.

Podemos ver que, “o conflito nos tempos atuais é inevitável e sempre evidente.

Entretanto, compreendê-lo, e saber lidar com ele, é fundamental para o seu sucesso pessoal e profissional. 

Compreender o conflito é o papel do RH. Recursos Humanos

Entramos em conflito muitas vezes por falta de comunicação assertiva, ou seja, quando não nos comunicamos com clareza e de forma direta nossos sentimentos e nossas opiniões ficam distorcidas.

A mensagem quando não é precedida de uma comunicação assertiva, o outro (o ouvinte) pode interpretá-la do modo que quiser.

Em todos os treinamentos muito se falam sobre o trabalho em equipe, entretanto esquecemos a comunicação.

Para o profissional que atua no setor de recursos humanos, a comunicação é a chave de toda e qualquer atividade.

A comunicação assertiva é essencial no setor de Recursos Humanos!
A comunicação assertiva é essencial no setor de Recursos Humanos!

Quando nos comunicamos de uma maneira falha, nossa imagem também é distorcida. Recursos Humanos

E quando o ouvinte ouve a nossa mensagem distorcida, automaticamente ele ativa seu mecanismo de defesa, que de acordo com Volpi (2008, p.1),

“são ações psicológicas que tem por finalidade, reduzir qualquer manifestação que pode colocar em perigo a integridade do Ego”.

O recalque ou a repressão,

“sua essência consiste em afastar uma determinada coisa seja ela um evento, ideia ou percepção do consciente, mantendo-a a distância no inconsciente, por ser algo potencialmente provocador de ansiedade”.

Já a projeção,

“mecanismo de defesa através do qual os aspectos da personalidade de um indivíduo são deslocados de dentro deste para o meio externo”. 

Somos ríspidos em nossas respostas e ações.

Quando escutamos uma mensagem distorcida, distorcemos a imagem de quem a conduziu, criando um conflito pessoal e que muitas vezes se origina no ambiente organizacional.

Os conflitos dentro das organizações, muitas vezes originam em decorrência das mudanças.

Como foi apresentado no início, vivemos em constante mudança e as organizações não são diferentes.

A alta cobrança pelos resultados eficazes e em curto prazo, as modificações tecnológicas, estruturais e comportamentais fazem com que as organizações tenham uma maior flexibilidade.

O fazer mais vezes o fazer bem ainda é um fator que gera conflitos dentro das organizações.

Muitas vezes, o colaborador não consegue conter o seu desejo entrando em confronto, o desejo do trabalhador e a realidade do trabalho.

O trabalhar em equipe vezes o trabalho individual.

Com as mudanças, o produtivismo e a excelência em realizar todas as tarefas mantendo o foco, a eficácia e a agilidade fazem com que o colaborador e a empresa negligenciem a qualidade em prol da quantidade.

Para lidar com a gestão de conflitos, o setor de Recursos Humanos deve ter em mente duas possibilidades; extinguir o conflito ou tentar administrá-lo.

Extinguir ou ou administrar o conflito!
Extinguir ou administrar o conflito!

Extinguir um conflito pode garantir que as ideias, e a criatividade vão ser extintas também, afinal ele se origina em decorrência do próprio trabalho e do que o colaborador faz tanto individualmente quanto em grupo para agilizar sua atividade.

Percebe-se que o conflito ocorre em detrimento do próprio trabalho.

Entretanto administrar o conflito pode tanto, maximizá-lo quanto minimizá-lo.

O foco irá depender da situação bem como da postura do profissional que irá lidar com o conflito.

Administrar pode garantir que com a tomada de consciência do colaborador perante o conflito, o processo pode estimular a criatividade bem como colaborar para a aprendizagem organizacional.

Nota-se que ainda não existem soluções para a gestão de conflitos, o que podemos dizer é que os profissionais podem e devem treinar o seu olhar para esta vertente.

Dentro da gestão de conflitos, não podemos esquecer que uma parte individual também colabora para a parte grupal.

O colaborador tem uma alta preocupação consigo, ou seja, de atingir os seus objetivos.

Contudo ele também se preocupa em satisfazer o outro.

Nesta dualidade algumas características vão sendo encontradas no ambiente de trabalho, o colaborador a toma para si como uma forma de resolver o conflito.

Evitando, se acomodando, competindo, tendo um alto compromisso e até mesmo colaborando.

Evitando o conflito, estamos fugindo do mesmo reagindo de uma forma a dar-lhe pouca importância, porém, mais tarde este conflito retornará.

Recomendo que você leia também: Como se Dar Bem no Trabalho? Veja 7 Dicas Para Te Ajudar!

Acomodando-se ao conflito estamos esquecendo de nós, deixando de exercer a voz ativa, em detrimento do outro. Recursos Humanos

Recursos Humanos
Recursos Humanos

Anulando-nos em prol apenas das ideias do outro para que o conflito não ocorra, estamos entrando em conflito conosco afinal ficamos insatisfeitos ao exercer nossas atividades dentro da empresa.

O fato de competir e querer mostrar suas capacidades e assim satisfazer seus objetivos, faz com que esquecemos do outro, da opinião e das ideias que muitas vezes nos auxiliariam em nosso trabalho.

O compromisso faz com que ambas as partes tenham que se unir para chegar a uma solução, e por fim colaborando, ambas as partes podem discutir e refletir atingindo assim a resolução do conflito.

A chave de tudo que vimos até agora se encontra em uma palavra o equilíbrio, nos anulando não vamos resolver nenhum conflito, e o fato de não escutarmos o outro no nosso ambiente de trabalho dificulta nossas relações interpessoais, e automaticamente pode prejudicar o nosso trabalho.

Flexibilidade é a outra palavra do momento.

Tanto a empresa quanto o colaborador devem se munir de flexibilidade para manter o foco.

No RH o profissional deve estar consciente de que as mudanças geram adaptações.

Portanto como fazemos para lidar com os conflitos tendo a flexibilidade que tanto as organizações exigem de nós todos os dias?

Nos autoconhecendo.

O autoconhecimento garante a nós saber o que queremos, quando queremos, como queremos e até onde podemos chegar, seja em qualquer âmbito das nossas vidas.

Quando nos falta o autoconhecimento, nos falta a dificuldade de traçar objetivos pessoais, temos dificuldade em priorizar o que queremos e principalmente dificuldade em ouvir.

Portanto é imprescindível que o setor de Recursos Humanos pense na saúde mental do colaborador.

É imprescindível os Recursos Humanos pensarem na saúde mental dos colaboradores!
É imprescindível os Recursos Humanos pensarem na saúde mental dos colaboradores!

Através de programas de prevenção e promoção tanto da saúde física quanto da saúde mental.

Lidar com o estresse, os conflitos é de extrema importância.

Entretanto discutir e refletir sobre o autoconhecimento, o sentido do trabalho pode colaborar para a saúde mental do colaborador.

Elaborar estes programas exigem ainda mais dos profissionais do setor, a audácia em desenvolver os projetos, o que culmina ainda mais em abandonarmos a zona de conforto.

Conhecendo a realidade de trabalho dos colaboradores, bem como suas ideias, os programas e os treinamentos ficam carregados de sentido, pois, são pautados na realidade da empresa.

O constante aprendizado, e a constante reciclagem de ideias e conhecimento, são regras básicas para qualquer profissão, ainda mais para aquelas que lidam com pessoas.

Se atualizar e acompanhar as mudanças são regras nos dias atuais, contudo não podemos anular o fator humano, o setor de Recursos Humanos deve sempre pautar seu trabalho na ética e na transparência.

Gabriela

gabiGabriela Cecarechi é Psicóloga (CRP 06/123484) e Coach, pós-graduanda em Psicologia Organizacional e do Trabalho e Selecionadora com Foco em Competências.

Além da coluna no blog o Psicólogo Online é Colaboradora no Jornal JC Regional de Pirassununga-SP.

Apaixonada pelas relações humanas no âmbito organizacional e idealizadora de um mundo igualitário com oportunidades para todos, auxilia os empreendedores a alcançarem seus objetivos e metas, atrelado ao bem-estar psíquico.

Contatos: Celular: (19) 9 8187-4416

E-mail: gabrielacecarechi@gmail.com

Página no Facebook: facebook.com/gabrielacecarechipsicologaorganizacional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.