Psicofobia, Já Escutou Falar? Descubra Aqui O que É

psicofobia

Psicofobia.

Mesmo depois de muito tempo, ainda é grande o preconceito com pessoas que têm esquizofrenia, pessoas que tem um transtorno mental.

Você já ouviu a palavra PSICOFOBIA?

Para falarmos sobre preconceito primeiramente precisamos entender o que significa a palavra Psicofobia.

“Psicofobia é um neologismo criado pela Associação Brasileira de Psiquiatria que teve seu presidente Antonio Geraldo da Silva como criador, desenvolvedor e propagador. A ideia de dar um nome ao estigma, prejuízo e preconceito que sofrem os doentes mentais foi aceita por legisladores, como o Senador Paulo Davim, pelo Conselho Federal de Medicina, pela Associação Mundial de Psiquiatria, e por várias associações como a Associação Americana de Psiquiatria, a Associação Espanhola de Psiquiatria, a Associação Portuguesa de Psiquiatria e outras mais. ”

Resumindo…

Psicofobia é o preconceito com pessoas que têm transtorno mental.

A mesma pode ser vivenciada pela pessoa que tem o transtorno ou pelos seus familiares.

O que leva as pessoas a terem preconceito com pessoas que tem um transtorno mental?

A principal causa é o desconhecimento das pessoas.

O fato de achar que toda pessoa que tem um transtorno é perigosa, é má, pode agredir ou matar.

Quando na verdade isso não é real.

Psicofobia Pesquisas apontam que pessoas que tem esquizofrenia, podem ter momentos de agressividade sim, mas quando em crise, em surto ou sem tratamento, sem medicações.

psicofobia
Sem tratamento e medicações pode-se ter surto.

Entretanto, em 93% dos casos, não são violentas.

E o que se encontra são pessoas ditas “normais” que cometem sim atos violentos, sem terem um transtorno mental.

O transtorno mental pode ser desencadeado por um trauma, como uma perda, um luto, perda de emprego, problemas emocionais e/ou fatores genéticos.

No caso da esquizofrenia sabe-se que é um transtorno com origem genética, e que pode ser desencadeada por fatores ambientais, tais como os que citei acima.

Bem, como uma pessoa pode ter o fator genético e nunca desenvolver o transtorno.

Vamos conhecer algumas formas de Psicofobia:

# 1 )  Tratar como se não fosse importante, que “é uma coisa boba e vai passar”.

Essa é uma das frases mais usadas quando se fala de depressão.

Que é frescura, que é falta de trabalho, e blábláblá.

Quem dera fosse simples assim!

Depressão é sim um caso sério, precisa de tratamento, de cuidados, não é por querer.

É mais forte do que a pessoa, é algo interno, precisa-se de medicações, de terapia, muita paciência e amor;

# 2 ) Chamar a pessoa que tem um transtorno mental de “louco”.

Na verdade o que seria uma pessoa louca ou uma pessoa normal?

O que é normal?

Quem vivencia um transtorno mental, assim como os seus familiares passam por um grande sofrimento.

E isso não pode ser desconsiderado.

Ninguém gostaria de não poder trabalhar, estudar, namorar, ter um transtorno mental não é escolha.

Psicofobia Não existe ninguém normal, o normal para uns, não é normal para outros.

psicofobia
A palavra “normal” é subjetiva.

Por isso definir uma pessoa, chamá-la de louca apenas por ela ter um transtorno é ridículo, não tem explicação, inadmissível.

A pessoa que ouve isso, já está instável emocionalmente, já sente uma serie de sensações, ouvindo isso ela só vai agravar seu quadro, só vai aumentar seu sofrimento.

É preciso pensar mais antes de falar gente!

# 3 ) Debochar, rir, esnobar, tratar com indiferença pessoas que tem esquizofrenia também é Psicofobia.

Ninguém é igual a ninguém.

Desprezar uma pessoa por sua aparência, pelo seu jeito de falar, de se comportar chega a ser desumano, ainda mais quando essa pessoa sofre tanto, vivencia momentos de terror como quem tem esquizofrenia.

As pessoas precisam se colocar mais no lugar dos outros, pensar como elas ficariam se fossem tratadas assim?

# 4 ) Infelizmente ainda existe casos com profissionais de Psicofobia, onde o profissional menospreza o sentimento do paciente, trata mal a família, ignora o que a pessoa está passando, se recusar a atender o paciente por ele ter transtorno mental.

Casos de famílias que ouviram:

“deixa ele morrer, não vai adiantar mesmo, ele é louco”

Imagine como é para uma mãe ouvir essa frase de um médico?

Claro, que não são todos profissionais assim, graças a Deus, mas infelizmente se encontra alguns por aí;

# 5 ) Acusar a pessoa de estar assim por querer, por não querer trabalhar, por estar se aproveitando.

Muitas famílias ainda têm essa dificuldade, onde acreditam que o seu familiar age ou se comporta de determinada maneira porque quer, para chamar a atenção.

Esse preconceito só desestabiliza cada vez mais o paciente e prejudicará a sua melhora;

# 6 ) Também podemos citar como uma forma de preconceito com pessoas que tem transtorno mental a forma como são atendidos quando se precisa de ambulâncias ou policias, por exemplo.

Muitas vezes pessoas despreparadas, com medo, que acreditam que estão diante de pessoas perigosas e que correm risco.

Casos onde inocentes morreram, por falta de informação, de manejo com as pessoas.

Enfim, esses são apenas alguns exemplos de casos de Psicofobia ou preconceito com pessoas que tem um transtorno mental.

Leia este artigo e saiba como não sustentar pré-conceitos por ter transtorno mental: https://opsicologoonline.com.br/transtorno-mental/

O que fazer?

Precisamos desmistificar cada vez mais o que realmente é ter um transtorno mental, o que é ter esquizofrenia.

Informar as pessoas, mostrar que ter esquizofrenia não é significado de ser assassino ou violento.

Não se pode calar diante de situações abusivas e preconceituosas.

Psicofobia Não esconda o seu familiar por ele ter um transtorno mental.

psicofobia
Não esconda seu familiar. 

Não tenha vergonha dele.

A diminuição do preconceito começa em casa, na família.

Cada preconceito sofrido é dois passos para trás na recuperação ou estabilização dessa pessoa.

É uma dor a mais, além de todo sofrimento que o transtorno carrega.

Lembrando que a Psicofobia é crime previsto em Lei e dá cadeia!

Confira:

“A Lei 236/12 criada pelo senador Paulo Davim, prevê como crime de discriminação cometer abuso ou desrespeito contra transtornados ou deficientes mentais. Também foi aprovada pela Comissão de Direitos Humanos, em maio de 2014, a PLS 74/14, para o crime ser enquadrado no código penal como injúria, e prever pena de 2 a 4 anos a quem praticar Psicofobia”.

Vamos divulgar mais as informações, compartilhar o conhecimento, pois é só através da informação que vamos conseguir diminuir o preconceito com pessoas que tem um transtorno mental.

Vamos praticar mais o sentimento de empatia, se colocar no lugar do outro, respeitar o outro.

Vamos ler mais, se informar antes de agir de forma preconceituosa, com pessoas que tem um transtorno mental ou com qualquer outra pessoa que seja diferente de você.

Grande abraço, um ótimo 2018 para todos nós e até breve!!

É possível relacionar-se com alguém que tem transtorno mental? Veja aqui: https://opsicologoonline.com.br/transtorno-da-esquizofrenia/

Psicóloga Daniela da Silva

 

[thrive_leads id=’498′]

 

Transtorno mentalDaniela da Silva – Psicóloga com Orientação Psicanalítica (CRP 07/23218). Atua nas cidades de Cachoeirinha e Gravataí/RS, como Psicóloga Clínica e também palestrante.

Atendimento direcionado para familiares de pessoas que tem esquizofrenia; relações familiares- pais e filhos.

Email: danipsicologa@outlook.com;

Facebook: Psicóloga Daniela da Silva

Instagram: psicologa_danieladasilva;

Tel / WhatsApp: 51-84059491;

Blog: www.alemdaesquizofrenia.com

 

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 3 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura.

Artigos recentes