Skip to main content
pessoas com esquizofrenia

A Importância da Família Para Pessoas Com Esquizofrenia!

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Pessoas Com Esquizofrenia

Família, geralmente, é com quem passamos a maior parte do nosso tempo, onde somos acolhidos, onde se está seguro, correto? Pessoas Com Esquizofrenia

Imagine a pessoa que tem esquizofrenia que vê na família sua única salvação, seu porto seguro.

Percebe a família como pessoas em quem ela poderá conversar sem ser criticada (pelo menos é o que eles sentem, e em determinados momentos precisam!), onde vê o lar como ambiente protetor, seguro.

Muitos cuidadores reclamam que seu familiar em casa é uma pessoa, age de uma maneira e na frente dos outros, ou dos médicos age de outra, comportando-se e agindo conforme o esperado.

Essas situações muitas vezes deixam o familiar indignado, pensando: Pessoas Com Esquizofrenia

“poxa vida, aqui em casa tem comportamentos estranhos, fala coisas e na frente dos outros, parece tudo mentira!”.

Recomento que leia também: As 5 Fases da Aceitação de um Familiar Com Esquizofrenia!

Por que será?

Iniciei falando da família e da segurança que ela nos representa, pois bem, para pessoa que tem esquizofrenia essa segurança é maior ainda!

Pessoas Com Esquizofrenia Eles percebem seus cuidadores/ familiares como sua única salvação, sua proteção e sabem que as outras pessoas muitas vezes não vão entender o que acontece com eles.

Sentem medo do que pode lhes acontecer se disserem o que realmente pensam.

É por isso que a família tem papel fundamental na vida da pessoa que tem esquizofrenia.

Sem o apoio familiar é impossível que o paciente consiga se estabilizar, será na família que ela terá forças para seguir seu rumo, mesmo que seja diferente do planejado.

E o que vai acontecer se os cuidadores não souberem os motivos de seu familiar agir de uma forma em casa e muitas vezes de outra em outros ambientes?

As críticas vão surgir, o medo do seu familiar vai aumentar, o ambiente vai ficar pesado e ninguém vai se entender. Pessoas Com Esquizofrenia

Nessa hora o conhecimento do transtorno, as estratégias para lidar com o familiar, o apoio de grupos fazem toda diferença.

Se os cuidadores sabem que alguns comportamentos de seu familiar são decorrentes da esquizofrenia eles não vão pensar:

“Que preguiçoso, folgado, acomodado, dissimulado, etc” e aprenderão a lidar com seu familiar, estimulando-o, aceitando até onde eles podem ir com respeito.

Agora se os cuidadores não souberem o que é a esquizofrenia, os sintomas, como pode conviver melhor com seu familiar, as coisas complicam, e muito!

Recomendo que leia também: 8 Dicas Importantes Para Te Ajudar a Cuidar de Uma Pessoa Com Esquizofrenia!

Um ambiente estressante, com muitas críticas, com emoções “a flor da pele” trará consequências para todos familiares.

O transtorno já traz consigo muita sobrecarga, lutas e dificuldades, sendo assim as relações familiares já ficarão estremecidas, tensas em muitos momentos.

Conviver em um ambiente familiar difícil e estressante, com padrões emocionais rígidos e negativos contribui para aumentar o nível de sobrecarga emocional na família, o que é chamado de Emoção expressa(EE).

O alto nível de EE ocorre geralmente na presença de doenças graves e crônicas, as quais interferem na maneira como os familiares se relacionam.

A emoção expressa não é exclusiva da esquizofrenia, podendo ocorrer em outros distúrbios psiquiátricos, como por exemplo, no transtorno bipolar, alcoolismo, dependência química, câncer, etc.

Entretanto, na esquizofrenia a EE apresenta maior relevância, pois contribui para o desgaste familiar, pode influenciar o curso do transtorno, levando-o a mais internações e recaídas, por exemplo.

A emoção expressa pode ser vista nos seguintes padrões emocionais: Pessoas Com Esquizofrenia

*Hipercrítica

Quando um ou mais membros da família cobram demais do paciente uma mudança de rotina, atitudes, críticas por não ajudar em casa ou não fazer bem feito, só percebem o lado negativo de tudo que o familiar faz, nunca apontando o que fazem de positivo.

Esses familiares precisarão enxergar as coisas sob outro ângulo, mudar algumas atitudes e formas de falar, valorizar as pequenas conquistas.

*Superproteção

Preocupação exagerada e excessiva com seu familiar. Pessoas Com Esquizofrenia

O paciente não pode fazer nada sozinho, mesmo que consiga e possa executar, seu cuidador não permite.

Sei que é uma forma de proteger, mas você cuidador precisa entender que irá atrapalhar seu familiar.

Ele irá se sentir incapaz, inútil, se acomodando cada dia mais e não saberá viver sozinho, e quando você não estiver mais com ele?

Permita que seu familiar dê seus passos.

*Permissividade Pessoas Com Esquizofrenia

Ser permissivo demais, deixar fazer o que quiser, não ter limites ou regras (o que não deve acontecer de forma alguma!).

O cuidador pode agir assim por medo que seu familiar surte ou porque cansou e não sabe como lidar com seu familiar.

Mais uma vez reforço que a participação em grupos auxilia nessa hora, orientando, trocando ideias, apoiando o cuidador para que ele cuide e viva bem com seu familiar.

*Hostilidade 

Um ambiente onde frequentemente ocorrem agressões e ofensas entre seus membros.

Pode acontecer por parte da família e do paciente.

A hostilidade pode ser percebida no modo de falar, no tom de voz, gestos ou expressões faciais.

*Superenvolvimento Afetivo

O cuidador faz tudo para seu familiar, não encontra tempo para si mesmo e sempre fala para seu familiar que:

“faz tudo por ele, que ele é culpado pelo sofrimento da família, que ele não dá valor para nada, etc.”

Como você imagina que essa pessoa vai ficar?

Além de tudo que sente e vive, ainda carregar uma culpa maior ainda? O resultado são brigas, fugas de casa, agressividade…

Como ajudar uma família que vive com um alto nível de emoção expressa?

Essa família precisará de orientação e tratamento, pois suas emoções demonstram que seus membros estão se relacionando de maneira incorreta e prejudicial ao tratamento do seu familiar, bem como estão mais suscetíveis a adoecer, física e psicologicamente.

A resposta virá como sintomas e doenças, tais como:

  • depressão,
  • ansiedade,
  • agressividade,
  • problemas cardíacos,
  • estresse,
  • irritabilidade,
  • impulsividade,
  • problemas com peso,
  • alterações de humor, entre outras.

Através de terapia familiar, da participação em grupo de Psicoeducação voltado para familiares, a família passará a entender o que está acontecendo em seu lar, o que está sendo feito errado e como podem melhorar, visando a estabilização do seu familiar e o bem estar de todos membros familiares.

Daniela

Transtorno mentalDaniela da Silva – Psicóloga com Orientação Psicanalítica (CRP 07/23218). Atua nas cidades de Cachoeirinha e Gravataí/RS, como Psicóloga Clínica e também palestrante.

Atendimento direcionado para familiares de pessoas que tem esquizofrenia; relações familiares- pais e filhos.

Email: [email protected];

Facebook: Psicóloga Daniela da Silva

Instagram: psicologa_danieladasilva;

Tel/WhatsApp: 51-84059491;

Blog: www.alemdaesquizofrenia.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.