Pessoas Com Deficiência Ainda Tem Que Lidar Com Essas Questões

Pessoas Com Deficiência

Pessoas Com Deficiência

Em tempos de tanta intolerância, preconceitos explícitos ou velados, considero importante escrever sobre as pessoas com deficiência, um assunto que ainda é muito difícil de se desmistificar.

Mesmo estando no ano de 2017, a população em geral ainda têm muitas dúvidas de como conhecer, conviver e se relacionar com alguém com deficiência, sem falar que existe muita ignorância (no sentido de desconhecimento) relacionadas às deficiências.

Embora todos apresentarmos deficiências, já que a perfeição ainda não foi obtida por nenhum ser humano, existem certas diferenças que não podem ser encobertas, já que estão claras e são perceptíveis. Pessoas Com Deficiência

Estas diferenças estão na cor da pele, no sexo, na aparência física ou no desenvolvimento mental ou sensorial e por estarem tão claras e nítidas, recebem uma resposta imediata da sociedade: a exclusão.

As deficiências podem ser físicas, sensoriais (visão ou audição) ou intelectuais, podendo ainda ser congênitas ou surgir após o nascimento em função de doença ou acidente. Pessoas Com Deficiência

As deficiências podem ter consequências brandas sobre a capacidade de interação do sujeito com o ambiente físico e social, ou causar um impacto maior, levando-o a necessitar da assistência de outras pessoas.

Mesmo entre as pessoas com deficiência existem necessidades diferenciadas que necessitam de cuidados específicos e de certos ajustamentos da família, estrutura física e arquitetônica das cidades.

E além disso, uma sociedade consciente do valor da dignidade da pessoa humana para que possam ter todos os seus direitos com igualdade de oportunidades.

Pessoas Com Deficiência A maior barreira social da deficiência se refere ao que a sociedade idealiza para o plano de vida da pessoa.

Pessoas Com Deficiência
Pessoas com deficiência enfrentam diversas barreiras sociais.

Espera-se do ser humano “normal” que desempenhe com êxito os papéis pré-determinados pela sociedade, como um espaço de destaque na profissão, casamento e uma família “bem organizada” servem como modelos deste “êxito” para o senso comum.

O ponto é que esse próprio senso comum proíbe ou enfraquece muito as oportunidades deste “sucesso” para as pessoas com deficiência, ao transformá-los em “gênios”, “heróis” ou “rochas de coragem”, e /ou em complexados, fracassados e incapazes os que não alcançam os objetivos pré-estabelecidos pela cultura e pela sociedade.

Quando a socialização das pessoas com deficiência é realizada junto com a sua deficiência, os papéis da família e da educação são fundamentais para que a criança possa se introduzir no meio social com um conteúdo menor de conflitos.

Quando há a socialização dentro de uma posição de superproteção, a atitude da família e da instituição educativa são desastrosas, pois leva a uma “cristalização” da deficiência (o isolamento da pessoa com deficiência dentro de um mundo imaginário) com a perspectiva de altas crises quando da relação desta pessoa com o mundo exterior.

Para os que adquirem a deficiência após serem socializados, já houve tempo e condições para que tivessem a obtenção de certos preconceitos contra a pessoa com deficiência. Pessoas Com Deficiência

É necessário superá-los, todavia será mais complicado, pois este tenderá a olhar para si mesmo como estava habituado a olhar o outro.

O maior problema, entretanto, parece ser o seu ajuste à nova condição, onde há grande responsabilidade, também, por parte da família e da instituição de reabilitação para a sua auto aceitação.

Qualquer que tenha sido o motivo pelo qual a pessoa tenha adquirido a deficiência, ela traz profundas consequências psicológicas. Pessoas Com Deficiência

Da rejeição pura e simples até mesmo a dificuldade de organizar a própria diferença em relação ao outro.

A união do ambiente social com o psicológico e o biológico se configuram um tripé sobre o qual se ampara a experiência vivida de cada pessoa, com deficiência ou não.

Pessoas Com Deficiência Inúmeras vezes as pessoas com deficiência querem passar despercebidas para não atraírem a atenção negativa do outro.

Pessoas Com Deficiência
Pessoas Com Deficiência

Mas, contrariamente, essas pessoas se tornam invisíveis para a sociedade como se não existissem, causando a si mesmas, uma avalanche de sentimentos, emoções e pensamentos conflitantes no qual, pelo olhar do outro, ela se vê como coitada, incapacitada e sem possibilidade de sonhar e construir a sua própria história de vida.

Por outro lado, surge também a certeza de que pode sim ter uma vida normal, com dificuldades sim, mas que podem ser superadas quando você acredita em si mesmo.

Também existe a certeza que você precisa provar para si mesmo e para a sociedade que você é capaz de fazer o que quiser, gerando uma auto cobrança, que muitas vezes, coloca a pessoa com deficiência, na linha tênue entre ser frágil ou forte.

A auto aceitação é uma construção do ser, baseado nas suas interações sociais ocorridas desde criança até o momento atual. Pessoas Com Deficiência

Recomendo que você leia também: Autoaceitação: 5 Dicas Inteligentes Para Aprender a se Aceitar

É ter consciência da pessoa que você é, com todas suas qualidades e limitações.

Se aceitar, não é se resignar, ou seja, aceitar as coisas exatamente como estão e não se posicionar diante da sua própria vida.

O corpo marcado pela deficiência, por ser disforme ou fora dos padrões, lembra a imperfeição humana.

Pessoas Com Deficiência Como nossa sociedade cultua o corpo útil e aparentemente saudável, aqueles que têm uma deficiência lembram a fragilidade que se quer negar.

Não os aceitamos porque não queremos que eles sejam como nós, pois assim nos igualaríamos.

É como se eles nos remetessem a uma situação de inferioridade.

Tê-los em nosso convívio funcionaria como um espelho que nos lembra que também poderíamos ser como eles.

Esse potencial, que é real, em vista das inúmeras mudanças que nos podem ocorrer, é que nos faz frágeis, uma vez que queremos ser sempre completos e constantes.

O que também parece perturbar no contato com pessoas com deficiência é o fato de não sabermos como lidar com elas, posto que a previsibilidade é uma forte característica das relações sociais da contemporaneidade.

Mesmo com suas limitações físicas, que podem variar dependendo do tipo da deficiência, a pessoa com deficiência sabe do que ela é capaz, sabe o que quer da vida e sabe o que fazer para chegar até onde ela quer.

E ela sabe que vai precisar lutar muito para conquistar seu espaço no mundo e que a palavra desanimar não faz parte do seu vocabulário. Pessoas Com Deficiência

Como qualquer outra pessoa, a nossa maior limitação é a psicológica e não a física, pois, quando você decide que fará algo, os obstáculos são somente um degrau em direção ao seu objetivo final e suas limitações físicas são obstáculos já contornados, porque durante seu desenvolvimento como ser humano já sabe de que forma pode superar as barreiras do seu próprio corpo e de se aceitar exatamente do jeito que é.

Quando pensamos no mundo, ponderamos sobre o contexto do mundo que nos constrói, ou que (des)constrói nossas vivências.

Portanto, é no “mundo’’ que nos conhecemos como ser, nessa transição infindável entre as imposições que nos conduzem e o que o mundo nos consente.

Pessoas Com Deficiência Acima de qualquer deficiência, tem uma pessoa com limite e potencial.

Faz-se indispensável lembrar que, independente da limitação da pessoa com deficiência, o estigma de “ser humano inferior” não pode suprir a aceitação de sua condição, que é o ponto inicial para algum progresso evolutivo como ser humano: a aceitação dos próprios limites.

Recomendo que você leia também: Como Melhorar a Autoestima? Através Dos Processos de Mudança!

Para atendimento online com a Sandra clique aqui.

Sandra Stefanes

[thrive_leads id=’498′]

 

Sandra Stefanes é Psicóloga (CRP 12/07831), Especialista em Educação Especial, Analista Comportamental DISC e Hipnóloga Clínica.
Atua na cidade de Criciúma em Santa Catarina com atendimento clínico à jovens, adultos e idosos; ministra grupos terapêuticos e palestras. Também trabalha com orientação psicológica online.
Contatos profissionais: (48) 99611-1737
Para atendimento online clique aqui.
Email: contato@sandrastefanes.com.br
Instagram: @sandrastefanes  

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 3 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura.

Artigos recentes