Terapia na adolescência: Descubra Aqui o Quanto é Benéfico

Terapia

Terapia

“A terapia faz com que o indivíduo deixe de repetir de forma morta e chegue a um novo conflito criativo que convida ao crescimento, à mudança, ao excitamento, à aventura de viver.” (Fritz Perls)

Normalmente os pais levam o adolescente à uma primeira consulta com o psicólogo, uma vez que o adolescente por si só ainda não tem competência para fazê-lo.

Muitas vezes os próprios pais percebem que o filho precisa de alguma ajuda, mas muito mais comum é serem encaminhados através da escola.

A adolescência, como dizem por aí, a “aborrescência” é vista como uma fase muito difícil para se lidar, uma vez que ocorrem inúmeras transformações tanto físicas, quanto psicológicas e o próprio ser humano que passa por essas mudanças se sente completamente perdido.

Terapia Existem muitos questionamentos para tudo.

Uma vez que começam a refletir o por quê isso, o por quê aquilo e aquela fase de criança está se esvaindo e agora precisa lidar com os conflitos dentro de casa, a carga horária da escola com suas inúmeras disciplinas e a pergunta intermitente:

“Mas para que estudar essa disciplina?”

“O que isso vai mudar na minha vida?”

E esses adolescentes ainda não têm grandes preocupações, porque muitas vezes suas necessidades básicas são preenchidas pelos pais que trabalham duro para que seu filho não sinta falta de nada.

Trabalham e procuram suprir todas as necessidades materiais, no entanto, são carentes de recursos psíquicos para manter um diálogo com aquele filho adolescente.

Mundos tão diferentes, não é?

Terapia Inicialmente é necessário um trabalho de psicoeducação.

De que forma esses pais podem mudar seus comportamentos para terem acesso ao mundo do seu filho adolescente?

A psicologia trabalha ensinando estratégias para conduzir um diálogo entre os pais e os filhos.

E eles mesmos, muitas vezes estão tão perdidos, sem saber como agirem em determinadas situações.

Então, trabalha-se o treino de habilidades relacionais entre eles.

Observamos que muitas vezes a dificuldade está na expressão dos sentimentos, em que é preciso clarear o que é respeito, o que é controle, o que é cuidado, o que é limite.

Muitos adolescentes têm arraigado a crença de que os pais só querem controlar tudo o que ele faz!

Terapia E isso os deixa muito irritados.

Mas é uma crença distorcida que precisa ser trabalhada.

Os pais devem sim ter controle sobre os filhos até que adquiram a idade adulta e já tenham meios de sobrevivência.

Mas não esse controle na visão distorcida e com peso negativo dos adolescentes.

Então vamos trabalhar o que é controle e o que é cuidado dos pais.

Na terapia, o adolescente aos poucos vai se soltando, porque a princípio ele tem medo se pode falar algo, o que pode falar, as consequências do falar.

E as técnicas psicoterápicas contribuem para que essa relação entre o psicólogo e o adolescente sejam construídas de forma a ajudar a escalar esse mundo tão escondido a sete chaves, como um mecanismo de defesa próprio do adolescente.

Terapia Para nós psicólogos, não é uma tarefa tão fácil, uma vez que o adolescente normalmente não veio por livre e espontânea vontade.

Terapia
Nem sempre é tarefa “fácil” receber pacientes que foram forçados a ir para terapia.

Há uma resistência!

O discurso normalmente é assim:

“Não quero falar nada. Estou bem. Não sou louco. Não tenho nenhum problema”.

E por aí vai reassegurando o primeiro mecanismo de defesa do “Eu” que a negação.

O problema para ele sempre são os outros.

“Ninguém me entende.”

“Tudo que acontece a culpa é minha.”

“Ninguém vê os meus esforços.”

“Eles (os pais) me tratam diferente dos outros irmãos”

E etc.

Terapia Se durante o processo terapêutico já conseguirmos ouvir dele tantas coisas.

Muito bom, a empatia foi estabelecida!

Mas antes disso pode ocorrer a mudez, o silêncio.

Muita calma nessa hora.

Coloque-se no lugar desse adolescente, afinal também já fomos adolescentes!

E como é muito comum dizer:

“Nossa que fase difícil! Eu não me dava bem com minha mãe. Ela não me entendia.”

“Vixi! meu pai era muito fechado comigo. Eu nunca sabia o que ele queria, o que que falava”

E por aí vai.

Terapia Quem de nós nunca teve problemas na adolescência?

Se sentia o menos amado.

Se sentia menosprezado.

Na escola os professores me perseguiam.

Meus colegas não gostavam de mim e etc.

Então, fica claro o mundo de incertezas que vive um adolescente?

Então o acolhimento inicial, a confiança conquistada, o contrato de fidelidade e de sigilo profissional estabelecido já é o início de todo o processo terapêutico.

E fica aqui claro que ser autêntico nessa relação é de grande valia, pois a natureza humana é rica na intuição e o adolescente avalia por muito tempo de pode mesmo confiar e acreditar que será bom para ele continuar o processo terapêutico.

Terapia Isso porque para os adolescentes é tudo ou nada!

É sim ou não! Não há meio termo para eles.

A bagagem que eles trazem consigo, muitas vezes são de decepções com amigos que confiou, são particularidades e dúvidas arraigadas que muitas vezes não têm com quem conversar.

E um apoio num momento difícil, são perdas que têm que elaborar e só sentem que um buraco abriu sobre seus pés e não tem outra saída, a não ser cair dentro dele.

Tudo para eles é muito intenso e lidar com emoções muitas vezes tão contraditórias os deixam muito nervosos.

E quando não sabendo lidar com seus sentimentos, afloram as emoções mais equivocadas que em consequência serão ativados os comportamentos mais inadequados, mais agressivos, mais rebeldes, com sentimentos de ansiedade que afetam em tudo, principalmente quando vão fazer provas e testes na escola e em casa, o comportamento de comer compulsivo, de roer as unhas e muitas vezes o isolamento social.

Terapia Trazer o adolescente para a terapia é a melhor coisa que a escola, a família pode fazer.

Pois, precisamos entender que a Psicologia é uma ciência do comportamento humano.

Entender o por quê certos comportamentos ocorrem, entender as contingências que ocorreram para que aquele adolescente está fazendo isso ou aquilo.

E mais que isso, ter um olhar de prevenção sobre a doença mental, pois tratando cedo, certamente o futuro desse adolescente será muito mais saudável e é claro com clareza na escolha de um futuro promissor.

Fico por aqui com um abraço da

Rosânia Guimarães

Leia também por que as pessoas tem resistência quanto a ir para terapia: https://opsicologoonline.com.br/resistencia-psicoterapia/

[captura]

Rosânia de Fátima Guimarães Coaracy Muniz, psicóloga CRP 01/11302

Atua na clínica atendendo crianças, adolescentes e adultos e faz avaliação neuropsicológica em Brasília/DF.

Contatos: e-mail: rosania1.muniz@gmail.com

Fanpage: https://www.facebook.com/psicorosaniaguimaraes/

 

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 3 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura.

Artigos recentes