Como o Machismo na Sociedade Molda as Emoções Masculinas?

Machismo na sociedade

Machismo na Sociedade!

Olá caro(a) leitor(a)! Machismo na Sociedade

Você já conheceu algum homem que não consegue expressar suas emoções, ou costuma reprimi-las para que ninguém perceba sua vergonha ou medo?

Ou você já viu algum homem que, para mostrar virilidade ou masculinidade, demonstra a potência da sua raiva impondo autoridade, intimidando e chamando a atenção?

O que chama atenção nestas duas situações é como algumas emoções são proibidas e outras são permitidas. Machismo na Sociedade

O que estaria acontecendo? Então é sobre isso que irei falar neste texto. Fica comigo!

Antes de mais nada, cabe elucidar como meninas e meninos aprendem a lidar com as emoções.

Recomendo que leia também: Pensamentos Machistas: Por que Tanto Ódio Contra as Mulheres?

É através da imitação dos pais, colegas e de outras pessoas que as crianças incorporam as formas de expressar, sentir e lidar com diferentes emoções.

A questão neste ponto é que o modelo machista, que atravessa diferentes âmbitos da vida, influencia esta aprendizagem emocional. Machismo na Sociedade

Para exemplificar o que estou dizendo, vou trazer duas situações muito comuns na educação de meninos e meninas.

É muito comum que a expressão do medo nos meninos seja reprimida ou desqualificada e assim, diante desta reação de pais e de outras pessoas de seu meio social, aos poucos, ele passa a reprimir esta emoção e, muito possivelmente, não saberá lidar com ela quando adulta.

A mesma situação pode ser aplicada para a raiva com as meninas. Machismo na Sociedade

Normalmente, esta emoção é reprimida nelas e ela se manifesta de forma indireta.

Com isso, são criadas um conjunto de emoções que são proibidas/permitidas para homens e mulheres.

Logo abaixo trago constatações sobre como os homens costumam lidar com determinadas emoções e sentimentos.

1. O medo Machismo na Sociedade

Esta é a emoção mais reprimida pelo discurso machista.

É ela que serve como parâmetro para diferenciar homens das crianças e mulheres dentro do modelo machista.

Esta suposta ausência de medo é representada pela falta de precaução e de adoção de medidas preventivas, a resistência em procurar auxílio quando em apuros e até mesmo pela conversão do medo em raiva.

2. A alegria Machismo na Sociedade

A alegria pode ser expressa em doses moderadas e adequadas de acordo com o modelo machista.

Não podem ser soltos, espontâneos ou alegres demais pois, este comportamento é um atentado para virilidade e masculinidade.

Assim, o machismo cria homens presos, sem espontaneidade e que se privam de desfrutar de pequenos prazeres da vida. Machismo na Sociedade

3. A vergonha

Para o machismo, um verdadeiro homem não pode admitir vergonha.

É aquele homem que diz “Não se importar com a opinião com os outros. Traduza isto como a mais alta expressão da vergonha.”

Muitos utilizam da violência para diminuir a vergonha. Machismo na Sociedade

Aliás ela é o ponto fraco do machista por que ele dá muita atenção e importância ao que as outras pessoas pensam principalmente sobre sua masculinidade e virilidade.

4. A raiva Machismo na Sociedade

Esta é área da vida afetiva quase exclusiva dos homens segundo o modelo machista.

É visto como condição natural masculina e ela é incorporada ao repertório emocional masculino desde a aquisição da linguagem, passando pela aprendizagem das regras sociais até a pré-adolescência ,b quando as diferenças estão claramente estabelecidas.

É uma emoção utilizada para se enaltecer perante os outros homens, atrair atenção e “fazer-se respeitar.

5. O orgulho

Este também é outro sentimento quase exclusivo dos homens de acordo com o machismo.

Quantos homens não se vangloriam de suas conquistas sejam elas reais ou imaginárias?

Ou quantas mulheres devem se ofuscar para que o brilho profissional ou pessoal de seus companheiros apareça?

Trata-se de um terreno afetivo muito utilizado para exaltar ou provar a virilidade/masculinidade, demarcar competências e vangloriar o sucesso em conquistas pessoais, profissionais e sexuais.

Diante de tudo o que foi dito, você poderia perguntar: como este repertório emocional ditado machista exerce influência na qualidade nos relacionamentos?

Bom, posso dizer que o impacto é muito grande. Machismo na Sociedade

Não é incomum encontrar casais que têm dificuldades em conversar e compreender o mundo emocional do outro.

Quando a dinâmica do relacionamento é doentia, estas dificuldades avançam para ações agressivas e violentas seja de maneira física ou mesma psicológica.

Machismo na sociedade: Por lidar com as emoções a partir da perspectiva machista, alguns homens podem apelar para a violência!
Machismo na sociedade: Por lidar com as emoções a partir da perspectiva machista, alguns homens podem apelar para a violência!

Recomendo que você leia também: Liberdade de Escolha: Homens e Mulheres São Educados Para Tê-la?

Vou citar um exemplo fictício com dados verídicos sobre um casal X.

Ana está progredindo profissionalmente em sua área de atuação e por causa disso, seu companheiro sente medo de perder sua “autoridade” na relação por causa do sucesso financeiro dela.

Com isso, os pequenos conflitos e discussões se avolumam até que, em um dado momento, Ana é agredida pelo seu companheiro bêbado.

Afinal, o que aconteceu? Faltou diálogo? Machismo na Sociedade

Bom, fica claro como a conversão do medo em raiva por parte do companheiro de Ana e a dificuldade de ambos (Isto é uma hipótese).

A dificuldade em falar sobre suas verdadeiras emoções diante daquela nova situação, proporcionou um clima conflituoso e até mesmo violento dentro daquela relação.

Machismo na Sociedade Por isso, o meu recado aqui neste texto tanto para homens e mulheres é que atentem para forma como estão sentindo, manifestando e manejando suas emoções e sentimentos.

Infelizmente, o modelo machista moldou e continua moldando o universo emocional de muitas pessoas desde a infância até a senescência.

Fiquem em paz!

Até a próxima, Karine!

[thrive_leads id=’498′]

karineKarine David Andrade Santos – Psicóloga CRP-19/2460 realiza atendimentos individuais para adultos e adolescentes em Aracaju/SE e orientação psicológica via Skype (http://www.karineandradepsi.com.br/). 

Membro da Cativare (https://www.facebook.com/cativarepsi/). 

Idealizadora do Projeto De Bem com Você em parceria com a psicóloga Eanes Moreira. (Informações via whatsapp (79)99922-8130)

Contatos: E-mail: psimulti@gmail.com; 

Facebook – https://www.facebook.com/KarineAndradepsi/

Instagram –https://www.instagram.com/karine.andrade_psiaju/

YouTube – Psicologia Aracaju

 

 

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 3 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura.

Artigos recentes