Luto materno por um filho natimorto

Diversos sentimentos e emoções surgem a partir desta perda. A culpa, a raiva, a tristeza, o sentimento de vazio e impotência invadem a vida da mãe de um filho natimorto.
Sad woman silhouette worried at sunset

A morte de um bebê antes de sua chegada gera dor, aflição e uma grande frustração, a frustração dos desejos, da idealização da maternidade, dor e frustração pelo rompimento da possibilidade que estava tão próxima de exercer a maternidade.

Diversos sentimentos e emoções surgem a partir desta perda. A culpa, a raiva, a tristeza, o sentimento de vazio e impotência invadem a vida da mãe de um filho natimorto.

O processo de luto começa, a partir do momento que o bebê é expelido, onde a mãe de fato identifica que não há mais vida, que o bebê tão amado, esperado e idealizado está morto.

Por vezes, a mãe não acredita que aquilo de fato esta acontecendo, questiona a Deus porque com ela, e pode entrar na fase de negação.

A perda de um filho natimorto gera um sofrimento psíquico tão grande que pode ocasionar episódios depressivos, onde essa mãe pode vir a ter pensamentos suicidas, acreditando que morrendo irá se encontrar com o bebê que partiu.

Em casos mais graves pode-se gerar transtornos psicológicos, onde essa mãe busca a qualquer custo, ter o bebê idealizado, com uma idealização tão forte que pode ser capaz de tudo para ter o bebê que partiu em seus braços

Em alguns casos, a mãe continua sentindo o mesmo sintoma, acreditando que o bebê ainda está em seu ventre.

É preciso ficar atento, o acolhimento e cuidado da família são muito importantes nesse processo, respeitar o tempo dessa mãe e toda a dor que esse processo envolve, é de extrema importância para que ela vivencie o luto de forma saudável.

Falar sobre o bebê que se  foi e permitir que essa mãe se expresse também é importante, agindo assim ela terá uma maior compreensão de que o seu bebê se foi e a partir desse momento se fará necessário resignificar a vida e seus projetos.-

O papel do psicólogo no processo de luto por um filho natimorto tem como papel fundamental a prevenção de possíveis transtornos psicológicos.

O psicólogo tem como papel fundamental auxiliar a mãe enlutada a cerca de esclarecimentos em relação a idealização e as fantasias geradas por essa mãe em relação ao seu bebê morto.

Além do atendimento psicológico individual, o acolhimento e acompanhamento ao pai e a família também é de extrema importância, para que os mesmos vivenciem o luto de forma saudável, a fim de restabelecer a saúde mental e a reestruturação da vida.

Por mais doloroso e intenso que seja a morte de um filho natimorto, é preciso vivenciar todo esse processo.

É preciso viver o luto para não viver de luto.

Até nosso próximo encontro. Abraços!

Leia também: Vivenciando o luto por suicídio

 

Camila Arruda – CRP: 05/50212
Psicóloga clínica e organizacional, palestrante.
Pós graduanda em Gestão de Pessoas
Experiência no atendimento clínico à crianças, adolescentes e adultos.
Atua na Cidade de Nova Iguaçu – RJ
Contato: Tel/WhatsApp (21) 97301-4983
e-mail: camilaarrudapsi@yahoo.com.br
Facebook: Camila Arruda – Psicóloga
Instagram: @psicologacamilaarruda
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 5 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura e Co-Fundador do Instituto de Terapia Online, que capacita e certifica profissionais para atuarem online de acordo como o CFP.

Artigos recentes