Skip to main content
fome emocional

Fome Emocional e Compulsão Alimentar: 7 Dicas Para te Ajudar!

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Fome Emocional

Fome Emocional Tem dias que a gente se sente, como quem partiu ou morreu…” – Quem nunca?

Sabe aqueles dias frustrantes em que teria sido mais proveitoso passar o dia debaixo das cobertas vendo TV e comendo uma porcaria qualquer?

Pois é, em um desses dias ruins, onde as nossas contradições humanas aparecem e se somam com as frustrações de um dia improdutivo e irritante, você já deve imaginar, né? Fome emocional!

Mas por que isso acontece? Já refletiu sobre isso?

Bom, vamos iniciar falando sobre a vontade ou desejo de comer: Nunca é uma vontade qualquer. Fome Emocional

A vontade é específica. Há quem queira comer uma massa, um doce, uma fritura qualquer, etc…

fome emocional
Fome Emocional: Sempre está associada a vontade de comer um alimento em específico!

Quando eu era criança, em dias frios, minha mãe me preparava o melhor chocolate quente do mundo! Fome Emocional

Hoje em dia, quando chego em casa cansada, estressada e com frio, o que eu mais almejo? Um chocolate quentinho e cremoso!

Procuramos consumir o que nos acalma, o que nos remete ao conforto emocional.

E é assim que você diferencia o que é fome fisiológica (aquela que aparece quando o corpo sente a necessidade de reabastecer as energias), e a fome emocional (aquela que não pode ser suprida com comida, porque nasce de sentimos de “vazio” ou “tédio”, tristeza, raiva ou carência emocional).

É fundamental sabermos identificar cada uma das “fomes”, para não ficarmos vulneráveis à compulsão alimentar. Fome Emocional

Leia Também: Como Se Libertar das Compulsões Alimentares?

Vamos identificar como a compulsão alimentar se manifesta no corpo? Fome Emocional

Nem sempre a vontade de comer é um indício de compulsão alimentar. Às vezes você só precisa de um pequeno conforto emocional… Mas um episódio de compulsão alimentar, é uma junção das “fomes”.

Como assim, Cintia? Explico! Fome Emocional

Quando sentimos fome fisiológica, sentimos os nossos batimentos cardíacos se alterarem.

Quando a compulsão surge, embora tenha as suas peculiaridades, se manifesta muito parecido:

Primeiro somos tomados por uma vontade de comer algo específico. Depois, somos tomados por uma ansiedade repentina, palpitamos de necessidade de comer algo, como se o nosso desejo não saciado, fosse causar algo muito ruim.

Não se articula pensamentos e ações. A capacidade de raciocínio diminui e você se vê entregue à comida, totalmente impotente! Fome Emocional

Às vezes a compulsão é por um alimento específico, outras vezes é por qualquer alimento que esteja ao nosso alcance.

Nos dois casos, o que há em comum, é que quantidade é muito mais importante do que qualidade. Você se preenche de comida… ou seja, a fome já se foi, mas você não consegue parar. E geralmente come até passar mal.

A compulsão surge em qualquer lugar. Eu disse – QUALQUER LUGAR! Fome Emocional

Então, se você começa a salivar por algo específico e não conseguir ficar em paz enquanto não sair em busca desse algo, pare e se observe:

No que você estava pensando antes dessa vontade súbita ocorrer? Alguém te magoou? Você está passando por um momento estressante? Está triste?

Perceba-se. Fome Emocional

Acredite, essa urgência em comer não dura para sempre, ela pode passar em questão de minutos. O segredo é tornar o episódio de compulsão alimentar um ato consciente.

fome emocional
Faça da fome emocional e da compulsão alimentar um ato consciente!

Para finalizar, vou deixar aqui 7 dicas que podem ajudar: Fome Emocional

#1 – Antes de mais nada, se você é uma pessoa que sofre com as compulsões alimentares, baixe gratuitamente o ebook que preparei com todo carinho:

à Liberte-se das Compulsões Alimentares ß

#2 – Quando identificar que está sentindo fome, e que esta fome está longe de ser fome fisiológica, procure fazer algo para se distrair.

#3 – Se sentir tédio durante o trabalho, em vez de buscar aquele “ bombom” na gaveta, levante, dê uma caminhada pelo corredor.

#4 – Quando passar por algo estressante e que te deixa irritada, se permita fazer um intervalo. Invés de descontar na comida, levante da mesa, vá dar uma volta, converse com um colega…

#5 – Se der vontade de comer um doce em meio a fome emocional, se permita comer um pedaço, mas coma devagar. Deguste.

#6 – Tenha horários estabelecidos para as refeições. Assim fica mais difícil comer “fora de hora”.

#7 – Por fim, se você é uma pessoa que se sente impotente diante da comida, procure ajuda.

Leia Também: Como vencer a fome emocional

Se eu tivesse procurado um psicólogo logo no início, não teria passado por tantos momentos ruins como passei.

Com amor,

Cintia Milanese

Cíntia MilaneseCíntia Milanese é Empreendedora Digital, Consultora de Negócios e Graduanda em Psicologia. Adora dividir seus aprendizados e trocar experiências à respeito de autoconhecimento

Blog: www.cintiamilanese.com.br|Canal:http://goo.gl/lo9P5m
Instagram >> Twitter >> Facebook >> Snapchat: @cintiamilanese

 

Dica de Livro: Acabando Com A Fome Emocional – Dicas e Estratégias Para Inibir a Fome Emocional

Carlos Costa

Psicólogo (CRP 06/122657), Coach, Empreendedor, Músico e Poeta. Idealizador do projeto O Psicólogo Online que tem por objetivo produzir conteúdo informativo e educativo sobre psicologia, saúde mental e assuntos relacionados, além de prestar serviços de orientação psicológica online.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.