Skip to main content
Fome emocional

Você Sabe o Que é Fome Emocional: Conheça as Causas, Sintomas e Como Cuidar!

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Fome Emocional

A vida é feita de objetivos. Vivemos em função de etapas — acabar um curso, arranjar trabalho, casar, ter filhos…

Vivemos em função de momentos, como uma grande viagem, um fim de semana especial, um workshop ou um concerto imperdível.

Alem disso, move-nos o querer concretizar metas concretas, como comprar um carro ou conseguir uma promoção no trabalho.

Para alcançar um objetivo, seja ele qual for, não basta cruzar os braços e esperar que a sorte nos bata a porta. Fome Emocional

Você terá que agir em função desse objetivo.Numa dieta ou reeducação  alimentar é a mesma coisa.

Se quer perder peso, tem de seguir o seu plano alimentar e o mais importante seguir uma reeducação mental para que no final você tenha sucesso e não retorne a estaca zero, porém quando começa um processo desses se tem uma vantagem, depende apenas de si próprio.

A alimentação está ligada ao nosso íntimo pelas emoções e sentimentos que nos desperta.

Muitas vezes, associamos o sabor ou o aroma de um determinado prato, a recordações ou a momentos do passado, como por exemplo, uma especialidade da mãe ou da avó.

Existe, portanto, uma relação muito próxima entre a alimentação e as nossas emoções, o que explica também a sua importância nas nossas relações sociais, fomentadas pelo contexto da refeição.

Fome Emocional O modo de comer é uma escolha, que costuma ser baseada em um estilo de vida.

Fome emocional
Fome emocional

Fome Emocional

A pessoa come o que gosta, o que sua cultura prescreve, mas também existe marcante influência das emoções.

Muitas pessoas tentam mudar seus hábitos alimentares, mas pensando apenas na mudança em bases racionais acabam caindo em uma armadilha, pois a alimentação tem significados que vão muito além da mera função nutritiva, ela pode, por exemplo, representar um “prazer imediato” e, portanto, servir para aliviar e compensar sentimentos tidos por negativos, como tristeza, angústia, ansiedade e medo.

É frequente percebermos o uso de determinados alimentos (sobretudo doces) com a finalidade de camuflar conflitos existenciais que a pessoa considera insolúveis.

Verificada esta relação e, uma vez que a alimentação desperta as nossas emoções, poderão também as emoções despertar a fome ou o apetite?

Fome Emocional Sim, a alimentação pode ser determinada pelas nossas emoções, um fenômeno que dá pelo nome de fome emocional.

Fome emocional
Fome emocional

A fome emocional é a fome ou vontade de comer originada por emoções, principalmente as emoções negativas como, por exemplo, a ansiedade, a tristeza, o estresse, as insatisfações, entre muitas outras emoções que por diversas vezes temos no decorrer do dia e frequentemente não vêm sozinha.

Esta relação é resultado de vários episódios em que os alimentos são o escape ou o conforto quando experimentamos estas sensações negativas.

Esta é apenas uma forma de introduzir a questão dos motivos que nos levam a comer para alem da necessidade fisiológica.

Você come demais nas refeições e fora delas? Prefere a comida que faz engordar aos alimentos que dão saúde? Fome Emocional

Quando o dia não corre da maneira que espera ou deu tudo errado e você esta em situação de stress ou chega a casa e fica sozinho(a), consola-se com a comida?

Isto acontece porque deixamos que a voz da fome emocional fale mais alto. A grande maioria das pessoas com excesso de peso come por motivos emocionais, de diversas ordens.

Escute e aprenda a distinguir estas duas vozes:

Fome Física – Fome Emocional

Vem aos poucos e você consegue esperar. Quem já foi fazer exame de sangue em jejum sabe o que é isso de verdade, você esta lá roxa de fome esperando ser chamada, começa a se sentir fraca, irritada, com dor de cabeça e mesma assim da para esperar mais um pouquinho.

A Fome Física é satisfeita com qualquer tipo de comida, não apenas com doces e parece que tudo fica mais gostoso.

Você para de comer quando esta satisfeita e causa satisfação e não culpa.

Fome Emocional

Surge “do nada” e parece urgente.

Já reparou que quando estamos com fome nossa barriga ronca?

Na Fome Emocional a única coisa que ronca é a nossa cabeça.

Nossos pensamentos giram, em torno de alimentos específicos e geralmente calóricos como pizzas, chocolates, docinhos, etc.

Você não se satisfaz, mesmo estando cheio. Como não é fome de verdade, vamos comendo, comendo, comendo e acabamos ingerindo mais calorias do que o correto em uma refeição ou lanche que seriam normais.

Após ingerirmos esses alimentos os sentimentos são de culpa, vergonha e arrependimento, pelo ato de comer emocionalmente e sem controle quando as emoções comandam a vontade de comer, a fome e súbita e urgente.

Muitas vezes, pede um alimento especifico e a vontade não tem um fim.

Acontece quando recorremos a alimentos, especialmente doces e gorduras, para encontrar algum conforto que compense a tristeza, as frustrações, a ansiedade, o sentimento de perda ou alguma inquietação.

uma atitude muito comum, mas nem sempre sabemos reconhecer que e isto que esta a acontecer.

E, mesmo que o percebamos, não conseguimos parar.

Esta fuga para a comida proporciona algum prazer, mas ele e momentâneo e vem sempre seguido de frustração.

A comida pode proporcionar sensações agradáveis, mas estas duram breves instantes.

Alem de não resolver os problemas, só os agrava, porque faz engordar, fazendo piorar a saúde e a aparência.

Os problemas continuam la, mas a eles juntam-se o sentimento de culpa por ter comido exageradamente e uma autoestima cada vez mais baixa.

Fome emocional
Fome emocional

Fome Emocional

Gera-se então, muitas vezes, uma espécie de ciclo vicioso entre a ingestão compulsiva de alimentos muito calóricos e os sentimentos negativos, tal como acontece com outros casos de dependência.

A comida torna-se um vicio, como o álcool ou o tabaco, mas com uma agravante: podemos pedir ou convencer alguém a deixar de beber álcool ou de fumar, mas não podemos pedir a alguém que deixe de comer – pelo simples fato de que precisamos de comer para viver.

No entanto, o problema não está de todo nos alimentos que são consumidos, e sendo a fome emocional consequência de emoções negativas ou stress, a melhor forma de evitar a fome emocional é procurar resolver a situação que a provoca.

Além disso, através de uma Reeducação Mental e Alimentar também pode minimizar os seus efeitos, por um lado podendo e aprendendo a se controlar mediante as situações e os alimentos de forma a manter os níveis de energia e o apetite constantes ao longo do dia e, por outro lado, optar por alimentos que sejam mais ricos do ponto de vista nutricional.

E você? Tem fome de que?

Recomendo que leia também: Como Manter a Dieta? Eliminando os Pensamentos Sabotadores!

Giuliana

Giuliana Ghiraldello CRP 06/129.394,  Psicóloga Clínica, idealizadora do Emagrecimento em Ação.

Consultora em emagrecimento, palestrante, orientadora profissional e de carreira.

Trabalho com atendimentos psicoterapêuticos individuais e em grupo em meu consultório particular e online.

Atendimento infantil, adolescentes, adultos e dependência química.

Orientação Psicológica online.

Administro o grupo online Desafio: Emagrecendo a Mente. 

Contatos: Fanpage: Emagrecimento em Ação

Telefone: (11) 9 8925-8110 Whatssap

Email: psicóloga.giuliana@gmail.com

Instagram: @emagrecimento_em_acao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.