Skip to main content

Fim do Casamento? Saiba Qual a Melhor Forma de Lidar!

Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Fim do Casamento

Separar  não é e nunca foi uma tarefa fácil. Apesar de ser algo bastante comum a separação não é um plano da vida conjugal. Fim do Casamento

Mesmo quando os dois cônjuges estão de acordo, seja  por incompatibilidade, infidelidade, desentendimentos, desgaste da relação ou pelo término do sentimento o processo é sempre difícil, pois implica  no rompimento de um importante vínculo e significativas mudanças.

A separação conjugal  pode ser definida como um processo de crise que desafia a visão de como devemos viver a vida e reinventá-la a partir de perdas e  desconstruções.

Desconstruir uma relação requer coragem , sabedoria , amadurecimento e a consciência de que não é uma tarefa fácil mas é absolutamente possível.

Mas porque para alguns casais é tão difícil separar? Fim do Casamento

Para muitos casais, separar representa  desordem emocional, financeira e familiar que produz desequilíbrio na família  em virtude das mudanças e perdas.

Trata-se de uma transição complexa que compreende tarefas emocionais que precisam ser elaboradas e completadas para a superação além de outras questões relacionadas às mudanças que atingem a vida de cada cônjuge.

A maneira como a situação é interpretada pode contribuir de forma positiva ou negativa no manejo do processo. Fim do Casamento

Se o processo for enfrentado e bem manejado é possível que as transformações sejam positivas resultando no amadurecimento emocional e na disponibilidade para um novo jeito de ser e viver, capaz de representar a felicidade não encontrada no casamento.  

A percepção de que os estressores ( mudanças, perdas e períodos de instabilidade ) que envolvem a separação são desafios manejáveis, auxilia no encorajamento para a tomada de decisão e no enfrentamento deste período caracterizado como situação de crise.

Muitas vezes a principal causa de sofrimento está na dificuldade por parte dos cônjuges em lidar com suas cargas emocionais e medo da mudança. Na maioria das vezes o ser humano desde cedo é ensinado e incentivado a crescer, casar e ter filhos.

Esta é a ordem esperada pela família e sociedade. Separar geralmente se aprende na prática, entre a dor e a ruptura. Fim do Casamento

O ser humano carrega consigo ansiedades inatas que se ativam em cada processo de separação, desde as separações de fácil superação até as mais complexas. Fim do Casamento

A separação conjugal está entre as separações mais complexas uma vez que não basta apenas declarar o fim da relação, mas também lidar com a ansiedade de separação, tomar decisões, elaborar o término e ainda enfrentar um luto  ao longo de um período que pode ser mais ou menos intenso conforme a pessoa e situação.

Elaborar significa pensar, assimilar e aceitar uma idéia que implica em profundas mudanças tanto a nível pessoal como na condição de vida. É um processo caracterizado por diferentes fases desde a tomada de decisão até o desfecho final do luto.   

Pular etapas através de condutas impulsivas e arranjo de novos relacionamentos não são estratégias que amenizam o sofrimento ou aceleram o processo  de luto. Fim do Casamento

É importante o entendimento de que a separação para ser consolidada deve ocorrer nos três aspectos: físico, emocional e compromisso conjugal.

Em outras palavras o casal deve fazer a separação de corpos, trabalhar o desligamento emocional e desfazer os acordos  que envolvem o casamento, desde judicial até responsabilidades financeiras. 

fim do casamento
Fim do casamento: Desligamento dos Corpos, desligamento emocional e financeiro!

A ruptura pode ocorrer ao nível do compromisso conjugal e da separação de corpos, mas permanecer ao nível emocional ( inconsciente  ou consciente ), com a finalidade de  manter a esperança de uma possível reconciliação ou sabotar futuros relacionamentos. Fim do Casamento

Uma separação mal resolvida resulta em amarras emocionais que  dificultam a evolução para outras etapas importantes no processo de superação, retomada de vida e novos relacionamentos. 

Para que a separação seja um processo saudável é importante ocorrer tanto a nível  físico como de compromisso e  emocional, sendo  necessário o enfrentamento da dor, bem como o desinvestimento do vínculo, das fantasias, planos, perspectivas e motivações do casal. Fim do Casamento

A ruptura nunca é unilateral mesmo quando apenas um dos cônjuges deseja separar ou assume o papel de culpado. O casamento é constituído de dois, portanto,  ambos devem avaliar suas parcelas de responsabilidade e contribuição  desde o inicio da relação até o término.

O divórcio será sempre uma crise, mas não necessariamente um trauma. Quando enfrentado e manejado de forma funcional é capaz de favorecer a superação, abrir novos espaços afetivos e produzir transformações positivas na vida de cada um dos cônjuges e na família ( filhos ). Fim do Casamento

fotoVanessa Ebeling, Psicóloga – CRP 07/19327. Especialista em Psicoterapia Clínica – Técnicas Integradas. Especialista em Terapia de Casal e Sexualidade ( em formação). Atua como psicóloga clínica, consultora e supervisora em consultório particular.

Contato: psicóloga@vanessaebeling.com.br

www.vanessaebeling.com.br

Carlos Costa

Psicólogo (CRP 06/122657), Coach, Empreendedor, Músico e Poeta. Idealizador do projeto O Psicólogo Online que tem por objetivo produzir conteúdo informativo e educativo sobre psicologia, saúde mental e assuntos relacionados, além de prestar serviços de orientação psicológica online.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.