Skip to main content

Estresse na Paternidade: 7 Dicas Para Saber Como Lidar!

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

ESTRESSE DA PATERNIDADE

Perante muitas queixas de pacientes em consultório, decidi escrever este artigo sobre o estresse na paternidade. Estresse na Paternidade

Pouco se fala sobre este tema, as pessoas tem medo de admitir ou até mesmo de mencionar, que um filho possa trazer um certo grau de infelicidade.

É feio. Os homens, se deparam com algo novo, uma vida, um ser, que precisa de seus cuidados, atenção, carinho, tempo, disposição e muita energia. Estresse na Paternidade

Esses, se sentem inseguros, temerosos, cansados e estressados; além do isolamento social que muitas vezes as obrigações paterna exigem.

“O máximo que se ouve são referências ambíguas e cheias de altruísmo aos percalços da paternidade, como no chavão: ‘Ser pai ou mãe é padecer no Paraíso’ ” (Aline Abreu, 2010).

Da mesma forma que ocorre com o mito da maternidade perfeita, ocorre também com a paternidade. Ninguém nasceu com o dom da paternidade, são características apreendidas, adquiridas no convívio e na relação entre pai e filho. Estresse na Paternidade

A vinda de um filho gera mudanças de vida, de rotina, de hábitos; vem as dificuldades financeiras, de carreira e de intimidade do casal.

A depender do grau de interferências que a criança ocasione e do nível de tolerância do pai, pode chegar a altos níveis de estresse e até mesmo a depressão.

Uma das grandes dificuldades intrínsecas da paternidade é que ninguém aceita que o filho passe pelos mesmos problemas ou dores, ao tentar evitar tal fato ou mesmo protege-lo do sofrimento, o pai se percebe nas atitudes e comportamentos de sua prole. Estresse na Paternidade

Ouço em consultório grande numero de queixas de pais que sofrem ao perceber no filho a sua semelhança.

As coisas mal resolvidas na infância ou com sua própria criança interior, faz com que esse pai projete no filho toda sua angustia, medo e frustração. Estresse na Paternidade

Com isso, a paternidade vai se tornando um peso, uma angustia, um tormento que demanda demasiada energia, gerando grande nível de estresse e ansiedade.

Pois a medida que a criança cresce, a semelhança se torna mais visível. E a busca incansável de mudar isso, está levando a paternidade a um estado de agressividade, incompreensão, irritação, desvalorização de si mesmo, desmotivação e até pensamentos suicidas.

Percebe-se o turbilhão de coisas e eventos que ocorre dentro de um pai, que silencia por medo do julgamento, mas que se expressa de forma bruta e arrogante, por não saber como lidar com a situação estressante. Estresse na Paternidade

Vejamos algumas dicas que poderia amenizar ou sanar tais situações conflitantes:

7 DICAS DE COMO LIDAR COM O ESTRESSE NA PATERNIDADE:

#1- Compreenda que nada pode prepará-lo para ser pai. Não importa quantos irmãos, sobrinhos ou sobrinhas que tenha ajudado a criar ou tomar conta, ter um filho seu pode ser uma experiencia sufocante.

Se aproximar do fato de ser pai com a mentalidade de que não terá todas as respostas, você estará preparado para lidar melhor com as decepções, mudanças, desafios que possivelmente possa ocorrer.

#2 – Reserve um momento de prazer e lazer com a criança, sem julgamentos, comparações ou repreensões.

Coloque limites e ordem na casa, com horários pré definidos, para você e seu filho. Aquela hora é só de vocês, esqueça de relógios e de problemas que precise resolver.

Se permita viver esse momento com intensidade, mas sem culpa e sem cobranças.

#3 – Peça a ajuda de profissionais quando perceber que sozinho não está tendo resultados. Seja um psicólogo, que o ajude a esclarecer, enfrentar e desmistificar os mitos e angustias que a paternidade está aflorando em sua mente e em seu comportamento.

Pode ser uma babá, que acompanhe e cuide das necessidades básicas da criança, enquanto você propõe um programa com a companheira por exemplo.

Há varias possibilidades de profissionais que poderiam ajudá-lo, importante é definir prioridades e perceber que existem outros caminhos a serem trilhados. Estresse na Paternidade

#4 – Faça as pazes com você mesmo sobre suas tarefas, mas de alguma forma que não se comprometa.

Se organize para ter um horário para atividades físicas, pode ser intercalando com a companheira, ou mesmo com ajuda de vizinhos, amigos ou familiares.

Cultive momentos que lhe dá prazer; um futebol, academia ou mesmo uma dança. Isso faz com que você gaste tanta energia acumulada.

#5 – Entenda que todos os pais têm pelo menos um momento em que pensam “que diabos nós fizemos?” após o nascimento de seu primeiro filho.

Se tiver esse pensamento fugaz, isso não fará de você um mau pai – isso é muito normal. Fique repetindo “vai melhorar”. Eventualmente melhora. Estresse na Paternidade

#6 – Procure outros pais na vizinhança e pegue conselhos com eles sobre tudo, desde trocar fraldas até hábitos de alimentação e sono.

Embora seus amigos sem filhos continuem sendo uma parte muito importante de sua vida, eles talvez não entendam algumas das situações que, inevitavelmente, surgem com um recém-nascido.

É mais fácil fazer novos amigos que são “mamães” e “papais” do que você pensa. Novos pais e mães naturalmente migram para a companhia uns dos outros.

Se não conhecer nenhum outro pai novato, integre-se a um grupo de mensagens on-line sobre o assunto.

#7 – Reconheça os sintomas de estresse. É normal se sentir triste, irritado, nervoso e mal adaptado nas primeiras duas ou três semanas após o nascimento do bebê.

Se ainda estiver angustiado ou chorando diariamente após algumas semanas depois do novo presente, contudo, você talvez precise ir a um profissional para uma avaliação de seu estado de humor.

Não há motivo para se envergonhar ao procurar ajuda para seus sentimentos e existe uma variedade de tratamentos que ajudarão nessa etapa.

Se tiver pensamentos suicidas ou desejos de ferir a si ou ao seu bebê, você precisa ir ao médico logo. Ninguém é uma ilha isolada, peça ajuda em situações que percebe perda de controle, pois tais situações não vão embora sozinhas. 

estresse na paternidadeMaria Elice Tavares L. de Olinda – CRP 01/17583. Especialista em Psicologia Hospitalar, Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental.  Faz acompanhamento a gestantes especificamente em prevenção a depressão pós-parto. Faz avaliação para cirurgia bariátrica e acompanhamento pré e pós-operatório. Atende adultos, crianças e idosos.

Clinica: Vitale Ser Psicologia. Sala 810 Ed. Taguatinga Trade Center. Taguatinga – Centro Brasilia – DF. 

Contato: Tel: (61)8120-1157; Email: mariaelice@hotmail.com

Carlos Costa

Psicólogo (CRP 06/122657), Coach, Empreendedor, Músico e Poeta. Idealizador do projeto O Psicólogo Online que tem por objetivo produzir conteúdo informativo e educativo sobre psicologia, saúde mental e assuntos relacionados, além de prestar serviços de orientação psicológica online.