Skip to main content
Os Ensinamentos Dos Contos de Fadas

Quais os Ensinamentos Dos Contos de Fadas? Veja Aqui!

Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Os Ensinamentos dos Contos de Fadas 

“Ó, gentil leitor! Você encontrará

um conto em cada coisa”
(Simon Lee Wordsworth)

Quais serão os ensinamentos dos contos de fadas?

Será que esses enredos realmente têm algo a nos ensinar ou são puro “faz de conta”?

Se você está chegando agora aqui na coluna Um Conto de Cada Vez, talvez responda que pouco essas histórias podem ajudar o ser humano.

Por outro lado, se você já acompanha os textos que escrevo mensalmente está a par da importância dos contos de fadas em nossas vidas.

Em vários momentos referenciei direta ou indiretamente os ensinamentos que podemos (re)encontrar nos contos. Ensinamentos dos Contos de Fadas 

Contudo, julgo ser relevante escrever esse artigo aprofundando um pouco mais esse assunto.

Geralmente costumamos pensar que os contos de fadas auxiliam no desenvolvimento psíquico da criança.

E, bom, isso é verdade. Porém, os contos também são de suma importância para os adultos.

Costumo dizer que essas histórias são para as crianças de todas as idades! Ensinamentos dos Contos de Fadas 

Segundo a autora Karin Hueck (2016, p.12):

Não é preciso ser criança para se encantar com contos de fadas. Basta ouvir o “era uma vez” inicial para ser transportado para um mundo de magia, arrebatamento e finais “felizes para sempre”. Engana-se quem acha que as historinhas são sobre fadas, bruxas, príncipes encantados ou meninas perdidas na floresta. Por trás dos enredos simples estão narrativas sobre a vida e a morte, alegria e tristeza, conquista e derrota – que falam diretamente com o mundo interior dos leitores. Quem lê as histórias acredita que metamorfoses sejam possíveis e que mesmo o mais desajustado dos protagonistas possa encontrar a redenção. Escondidas nos contos de fadas estão inquietações que todos nós já sentimos e soluções para problemas que parecem enormes.

Sigamos recordando a origem desses enredos.

Inicialmente eles eram relatados de forma oral durante o trabalho agrícola, em volta da fogueira ou enquanto as fiandeiras fiavam.

Nesse período não havia a fase que conhecemos como infância, por isso os contos se destinavam aos adultos e tinham como principal intuito não só entreter a população, mas educá-la, uma vez que muitos não tinham acesso aos estudos.

Ou seja, os ensinamentos dessas histórias mágicas já iniciaram ali.

Nos contos de fadas há temas que chamamos de universaisEnsinamentos dos Contos de Fadas 

Os Ensinamentos Dos Contos de Fadas 2
Os Ensinamentos Dos Contos de Fadas

Mas que temas universais são esses, Juliana?

Podemos pensar no amor, no nascimento, na morte, na ansiedade, na fome, na inveja, na coragem, no medo, no bem versus o mal, entre outros.

Olhando para a atualidade esses temas continuam presentes, não é?

Pela perspectiva da Psicologia Junguiana, dizemos que essas temáticas universais estão presentes no inconsciente coletivo, passando, desse modo, de geração a geração.

De acordo com a época que se encontram, esses temas assumem novas roupagens, no entanto, sem deixar de manter a sua essência.

Por exemplo, hoje as novas adaptações cinematográficas dos contos têm enfocado o vilão e o seu poder de redenção.

Percebemos que os vilões também são humanos tanto quanto os heróis.

Percebemos que os vilões podem se redimir tanto quanto os heróis.

Percebemos que os vilões são corajosos tanto quanto os heróis e assim por diante.  

Compreendido isso, chegamos, agora, a outro ponto.

A cada nova leitura, escuta ou toda vez que reassistimos um conto de fadas temos um novo olhar. Ensinamentos dos Contos de Fadas 

Os Ensinamentos Dos Contos de Fadas
Os Ensinamentos Dos Contos de Fadas

Nos atentamos a algo que sempre esteve ali, mas que não havíamos nos dado conta até então, novas reflexões surgem, outros detalhes passam a fazer mais e mais sentido.

Isso acontece justamente porque nos conectamos com as imagens e, consequentemente, com as emoções que os contos nos despertam.

Isso acontece ainda, porque estamos dispostos a aprender com essas histórias.

E, mais uma vez, pensando em nosso conto de vida e naquilo que nos cerca no dia a dia, também (re)aprendemos com cada situação que vivenciamos, não é?

Às vezes, parece que algo está se repetindo em nossa vida, e, nem sempre, percebemos isso de imediato, porém, quando tudo começa a clarear conseguimos enxergar os ensinamentos ali presentes.

Feito esse paralelo com o nosso conto de vida, vamos dar continuidade ao tema desse artigo: Os ensinamentos dos contos de fadas!

Como estudiosa dos contos, sempre estou revendo as temporadas iniciais do seriado americano Once Upon a Time, pois, como explanei acima, novas percepções e reflexões surgem toda vez que me disponho a essa jornada pelo País dos Contos de Fadas.

Pois bem, uma frase bastante repetida nesse seriado e que também pode ser encontrada em muitos contos escritos é: “Toda magia tem um preço.”

Ou seja, a magia pode tanto auxiliar como prejudicar. A magia tem poder, logo, consequências.

Os Ensinamentos Dos Contos de Fadas
Os Ensinamentos Dos Contos de Fadas

Ainda fazendo referência a série Once Upon a Time, a cada episódio conhecemos mais a respeito de dado personagem, acompanhamos o seu antes e depois, e como algumas histórias se entrelaçam com as outras.

Um exemplo do quanto a magia, a qual aqui representa simbolicamente o poder, acaba por modificar e até mesmo corromper uma pessoa, é o personagem Rumplestilskin.

Antes de se tornar o Senhor das Trevas ele era um homem humilde, medroso e covarde.

Contudo, quando passa a ter poder ele transforma-se, tornando-se corajoso, mas também malvado, egocêntrico, com um “quê” de trambiqueiro.

Rumple lembra o personagem Trickster presente em muitas mitologias.

Ele aparece tanto para ajudar como para causar o caos. Inicialmente ele chega com a solução infalível, a qual, com o tempo, passa a ter consequências.

Quantas e quantas vezes no nosso conto de vida não vivenciamos algo parecido?

Cobiçamos o poder, seja ele qual for, ou conhecemos pessoas que o cobiçam.

Agimos como o Trickster ou nos deparamos com pessoas que agem assim. Olha aí os ensinamentos dos contos de fadas!

Eles nos ensinam e muito!

Outros aprendizados que podemos (re)encontrar nos contos: Ensinamentos dos Contos de Fadas 

– Criatividade: Em João e Maria os irmãos precisam ser criativos na hora de derrotar a Bruxa;

– Beleza interior: Em A Bela e a Fera, aprendemos que a beleza interior é mais importante que a exterior. Aprendemos também que todos nós temos um pouco de Bela e um pouco de Fera dentro de nós. Aprendemos que a relação pai e filha(o) é tão poderosa quanto a relação mãe  e filha(o);

– Quem é você?: – Em Alice no País das Maravilhas (re)descobrimos quem somos, e que, para saber quem se é, também é preciso saber para onde se quer ir;

– Não há lugar como a nossa casa!: – Em O Mágico de Oz (re)lembramos a importância de pertencer a algum lugar, tanto externa quanto internamente;

– É preciso despertar: Em A Bela Adormecida percebemos que “dormir” para alguns aspectos da vida nem sempre é vantajoso, sendo preciso despertar/acordar e encarar os desafios;

– Crescer é preciso: Peter Pan nos ensina que a Terra do Nunca é incrível, mas que mais incrível ainda é se permitir experienciar a vida e o que ela tem a nos oferecer em cada fase;

– Entre outros.

Ensinamentos dos Contos de Fadas 

Para Kast (2016, p.83),

“os contos de fadas nos ensinam que só estaremos a caminho de mais autonomia quando obedecermos mais aos nossos próprios chamamentos e inspirações […]. Desse modo, os ensinamentos dos contos de fadas são os mais variados. Os ensinamentos dos contos de fadas nos acompanham. Os ensinamentos dos contos de fadas nunca cessam. Haverá contos que irão nos marcar, enquanto outros não irão nos interessar. Haverá aqueles que sempre queremos reler, reescutar, reassistir, enquanto outros só visitaremos uma única vez. E não há problema nenhum nisso. Aventuramo-nos pelas linhas mágicas de cada conto o tempo necessário que precisamos estar ali, até que o aprendizado, por aquele momento, é concluído, dando abertura para novos despertares e novos florescimentos. Como disse Simon Lee Wordsworth: “Ó, gentil leitor! Você encontrará um conto em cada coisa.”

Recomendo que você leia também: Com Qual Personagem dos Contos de Fadas Você se Parece?

Um beijo e uma (re)descoberta,

Juliana.

Juliana Ruda – Psicóloga de Orientação Junguiana (CRP 08/18575).

Tem Especialização em Psicologia Analítica.

Atua na área clínica atendendo jovens e adultos.

Ministra cursos, palestras, workshops e grupos de estudos com temas relacionados à Psicologia, Psicologia Junguiana e Contos de Fadas.

É uma das colaboradoras da Comissão Temática de Psicologia Clínica do Conselho Regional de Psicologia do Paraná.

Além de eterna aventureira dos Contos de Fadas!

Contatos – E-mail: psicologa.julianaruda@gmail.com 

Facebook: https://www.facebook.com/PsicologaJulianaRuda/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.