Dependência Afetiva: Como Livrar-se Desse Sentir.

dependência afetiva

dependência afetiva

Muitas pessoas me perguntam:

Amor e dependência afetiva combinam? 

Logo de prontidão já respondo:

NÃO!!!

Assim logo falo que amor e dependência afetiva não combinam.

Pense comigo!

Amor é algo gostoso, puro, envolvente, encantador, logo é muito bom e serve para somar.

dependência afetiva. Agora você consegue imaginar algo tão bom com algo que tanto poderá te prejudicar?

Acredito que respondeu:

NÃO.

A dependência afetiva subtrai!

Percebeu que na verdade são opostos?

O dependente afetivo só quer agradar o outro, esquecendo de si mesmo, colocando sempre sua vida em segundo lugar.

Com isso, tem dificuldade de tomar decisões, precisando sempre da aprovação do outro para dizer o que deve ser feito e isso consequentemente gera um grande desequilíbrio emocional.

dependência afetiva Você não deseja isso para sua vida, não é mesmo?

Essa dependência afeta e poderá até destruir a qualidade do seu relacionamento.

Isso vale a pena?

Para isso, sugiro que pense mais em você, seja fiel a si mesma.

Reflita: está realmente pensando em você?

Quando pensamos somente no outro, esquecemos da nossa própria essência.

Se está esquecendo de si, reverta essa situação e mude sua relação.

Uma dica muito boa para isso: procure parceiros que te desafie e que saia deste padrão de dependência afetiva que não te levará a nada.

dependência afetiva. Pode ser muito duro o que vou te falar agora, mas a dependência afetiva é um estado de pura imaturidade do ser humano.

dependência afetiva
Dependência afetiva

É claro que nascemos dependentes!

Quando pequenos dependemos dos outros e com o decorrer da nossa vida, vamos em busca da tão sonhada independência.

Está percebendo como ser dependente afetivo pode te prejudicar tanto em sua qualidade de vida?

A dependência afetiva demonstra alguns traços de personalidade da pessoa.

Sabe por que?

Porque está sempre precisando da aprovação do outro para tomar as suas próprias decisões.

Você deve estar se perguntando:

dependência afetiva. Mas tem como mudar essa situação?

O dependente afetivo deve estar atento a alguns pontos.

Em primeiro lugar, ter a consciência dessa dependência.

Aprenda a olhar para si, reavalie a sua vida!

Reconheça seu verdadeiro valor e acima de tudo aprenda a investir e valorizar a sua autoestima.

Para tudo isso, vá fundo em seus pensamentos destrutivos, reconheça a sua dor.

Agora que já analisou suas necessidades emocionais, estabeleça metas para conseguir vencer a insegurança que anda de mão dada com a dependência.

dependência afetiva. É claro que muitas pessoas, não conseguem lidar com esse sofrimento sozinhas, então vá em busca de uma psicoterapia para superar e enfrentar toda essa situação.

O passo primordial para dar um basta nessa dependência afetiva e conquistar sua maturidade emocional.

Acredite!

A maioria das pessoas não tem essa maturidade, porque a maturidade cronológica ocorre naturalmente, sem nos darmos conta, o tempo vai passando e o seu corpo vai amadurecendo.

Quer queira ou não!

Mas e a tal da maturidade emocional?

dependência afetiva  Ah! Essa requer muito empenho, esforço e dedicação.

Percebemos essa maturidade, quando nos damos conta, que estamos encarando as nossas próprias dificuldades, nossa realidade, mesmo que seja dolorosa.

Assim, pode-se dizer, que a maturidade emocional é a capacidade de lidarmos com as nossas frustrações, sem ter medo de enfrentar, ter senso de responsabilidade sobre si mesmo e acima de tudo entender e gostar de si próprio, pensando sempre em seu amor-próprio.

Ame-se!

Mas como isso ocorre?

Quando percebemos que temos a consciência das nossas emoções e reações frente a elas.

dependência afetiva. Com isso, escolher os melhores caminhos para tomar as suas decisões de uma maneira madura e equilibrada.

Para conquistar a maturidade emocional, deve-se estar atento a alguns sinais que são primordiais.

Em primeiro lugar, saber fechar os ciclos.

Como por exemplo:

Quando terminar um relacionamento, mesmo que estiver sofrendo, aceitar esse fim e deixa-lo ir.

Afinal, você não quer ao caso quem não te queira, não é mesmo?

Se essa relação acabou, guarde apenas como uma lembrança e tire proveito disso a seu favor.

dependência afetiva. Aprenda a tolerar e lidar com suas frustrações, sem se martirizar, se vitimizar dessa situação e jamais se culpe pelos seus erros, pois isso só nos crescer e amadurecer emocionalmente.

Tenha cuidado para não se influenciar com as emoções alheias, mas pondere suas emoções para estar firme na sua tomada de decisões.

Aprenda a agir mais e reclamar menos.

Reconheça as suas virtudes, qualidades, mas tenha consciência das suas próprias limitações, pois somos humanos.

Sabemos que lidar com pessoas imaturas, não é nada fácil.

dependência afetiva.  Você não quer ser essa pessoa?

Jamais entre nos joguinhos do imaturo, aprenda a ser mais independente e isso inclui, não depender do outro para agir e tomar suas decisões.

Uma boa dica para isso, é não abrir mão dos seus momentos individuais para não ficar sufocado.

Não quero dizer que você deve sair por aí aprontando todas, lembre-se da empatia e não faça com o outro que não quer para si mesmo.

Vamos pensar agora no imaturo!

  • Apresenta dificuldade de ouvir o outro;
  • São egoístas;
  • Egocêntricos (pois acredita que tudo gira ao seu redor);
  • Desorganizados; 

dependência afetiva. Por isso é sempre muito importante ensinar a criança desde pequeno, designar e cobrar que faça suas tarefas, para que no futuro saiba organizar a sua própria vida.

O imaturo tem muita dificuldade de encarar suas responsabilidades.

Por isso, caso perceba que você ou seu parceiro estão imaturos, será fundamental procurar a psicoterapia para conseguir clarear suas ideias e agir sozinho.

Mas será que tem como alcançar a maturidade emocional em seu relacionamento?

Claro que sim, basta querer, arregaçar as mangas e colocar essas dicas que irei dar em prática.

Aprenda a conhecer seu parceiro, parece ser fácil, mas poderá ser bem difícil, por isso lembre-se da empatia.

Converse sempre, pois o diálogo aproxima os casais, desde que essa conversa seja produtiva, sem acusações e críticas.

dependência afetiva. Entenda que ninguém pensa igual ao outro e isso é muito bom, então respeite a opinião e diferenças do seu parceiro.

Aprenda a controlar seus impulsos, assuma as suas responsabilidades, não culpe o outro para se livrar da sua culpa.

Isso é péssimo!

Analisando seu relacionamento, entenda o funcionamento dessa relação e faça tudo que esteja ao seu alcance para reverter isso.

Lembre-se:

A maturidade emocional harmoniza o seu relacionamento.

Seja feliz!

E você é dependente afetivo?

Tem maturidade emocional?

Comente!

Leia também o artigo que nos diz como lidar com os conflitos familiares: https://opsicologoonline.com.br/relacionamento-familiar/

Paula Espíndola

[captura]

Paula Espíndola é psicóloga clínica CRP 06/50889. Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional. Experiência em atendimentos sobre quaisquer relacionamentos, principalmente os relacionamentos amorosos.

Respondendo dúvidas no Canal do Youtube PAULA ESPÍNDOLA PSICÓLOGA sobre relacionamentos feita através das redes sociais, a seguir:

http://insightpsique.com.br

https://www.insightpsiqueonline.com.br/

https://www.facebook.com/Insightpsique/

https://www.instagram.com/paulaespindolapsicologa

https://www.youtube.com/channel/UCsAhzuEEAIuXFRt4Uymn6sg   

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 3 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura.

Artigos recentes