Skip to main content
De quem é a responsabilidade

De Quem é a Responsabilidade?

Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Olá, caro leitor, De Quem é a Responsabilidade

Chegamos ao mês de fevereiro.

Estamos no começo do ano, e ainda temos muitos assuntos para pensar, metas para cumprir e problemas para resolver.

Acredito que vocês tenham muitas decisões para tomar neste ano, e que até já optaram por algumas. De Quem é a Responsabilidade

Em janeiro, vários psicólogos realizaram diversas atividades em prol da campanha Janeiro Branco, que procura conscientizar a população a cuidar da sua Saúde Mental e Emocional.

É realizada neste período por ser o mês em que procuramos agir e tornar o nosso ano diferente.

No final do ano refletimos sobre os momentos que aconteceram, o que consideramos que queremos levar conosco e o que queremos deixar para trás.

E Já no início do ano afirmamos: De Quem é a Responsabilidade

-Este ano será diferente! (e aí você diz todas as metas que você quer cumprir – mudar de emprego, casar, terminar um relacionamento, morar sozinho, enfim…várias)

E apesar de você estar convicto das mudanças que quer realizar, é provável que você receba muitos palpites, conselhos e até rejeições sobre as suas escolhas.

E é sobre isso que eu quero falar. De Quem é a Responsabilidade

Talvez esses desejos que você queira realizar já estavam há muito tempo pedindo para serem concretizados, ou modificados, mas por algum motivo você ainda não os realizou, ou deu um passo sequer.

De Quem é a Responsabilidade Pode ser por medo, insegurança, e muitas vezes, pelos palpites das outras pessoas que te impedem de seguir o caminho que você quer trilhar.

De quem é a responsabilidade
De quem é a responsabilidade

De Quem é a Responsabilidade

Antes quero deixar bem claro que não estou declarando os outros como “culpados” pelos conselhos que nos dão.

Mas sei que, dependendo do que e da forma que falam, refletimos um pouco mais e até mudamos o que planejávamos.

Pedir um conselho pode ser interessante – iremos aprender com o conhecimento dos outros e ver novas possibilidades.

Podemos refletir sobre ele e aplicá-lo na nossa vida. Mas é interessante os seguirmos quando, e se, realmente tivermos vontade.

Somos diferentes das outras pessoas, e elas geralmente nos orientam sobre os assuntos da forma que elas veem.

Não é um jeito certo, nem errado, apenas é aquilo que para elas fazem sentido.

Imaginem um diálogo entre três amigas, em que uma conta sobre um conflito e as outras duas dão os seus conselhos: De Quem é a Responsabilidade

– Amiga, estou namorando. Mas sabe…ele me trata bem, tem um bom relacionamento com os meus pais, sempre me manda mensagens carinhosas, mas eu não estou tão interessada nele. (Ana)

– Ah amiga! Aproveita essa chance. O tanto de mulher que queria estar nesta sua situação. Além do que, tem sido muito raro encontrar homem assim. Se não der certo, depois você termina. (Paula)

– Eu já penso diferente. Se você não está afim, cai fora, vá se divertir. Você deixará de dar oportunidade para alguém que você realmente goste e, se continuar neste relacionamento, pode ficar insatisfeita. (Júlia)

As duas comentaram a percepção delas sobre o relacionamento da amiga, cada uma com o seu conhecimento e suas experiências que permitiram que pensassem assim.

E Ana pode ficar balançada com os dois conselhos. De Quem é a Responsabilidade

Ela pode seguir a sugestão de uma delas ou recusá-las e criar uma nova escolha.

De Quem é a Responsabilidade Às vezes pensamos que há apenas duas opções, o sim ou o não, quando na verdade temos uma série de possibilidades.

E, caso sigamos um dos conselhos porque o consideramos como aquele que mais vai nos atender, mas não refletirmos bem, podemos nos arrepender depois e talvez até responsabilizarmos o outro pela escolha que fizemos.

Bom, o outro deu a opinião dele, o modo como ele vê essa situação.

Mas e você, como vê as situações da sua vida? É hora de você se responsabilizar por elas, pensar bem e tomar uma atitude.

Pode até ser que você se arrependa depois, porém isso lhe permitirá se sentir mais confiante e ser dono de suas ações. De Quem é a Responsabilidade

Em seu livro sobre a Comunicação Não-Violenta, Marshall Rosemberg diz que uma das formas de nos afastarmos das pessoas é as responsabilizarmos sobre aquilo que nos compete.

De Quem é a Responsabilidade Isso faz com que encarreguemos uma obrigação, que seria nossa, para o outro e deixamos de notar o porquê de tomarmos uma determinada atitude.

De quem é a responsabilidade ?
De quem é a responsabilidade ?

De Quem é a Responsabilidade

Além do que, muitas vezes, ao invés de conselho, é de apoio que mais temos necessidade em um dado momento.

Talvez, naquele diálogo, Ana só queria ter desabafado e expressado os seus sentimentos, em vez de escutar o que ela deveria fazer ou deixar de fazer.

Ao ouvirmos uma história também é interessante que nos coloquemos no lugar do outro.

É comum escutarmos e falarmos “se eu estivesse no seu lugar, eu faria assim…mas a escolha é sua”.

Dessa forma, estamos dizendo apenas o que faríamos, o que é condizente para a gente. E deixamos de nos importar com o sofrimento daquela pessoa. Uma opção seria dizer:

– Eu imagino que esta situação possa ser muito difícil para lidar sozinha. Mas se você precisar de alguma coisa, pode contar comigo.

Nesse tipo de diálogo não há julgamento e nem distanciamento, apenas escuta, acolhida, aceitação.

Nem sempre vamos concordar com as ações dos nossos familiares e amigos.

E não há problema algum. Mas dar apoio é, mesmo discordando, procurar entender o que faz alguém se decidir por algo e respeitar isso. De Quem é a Responsabilidade

Muitas vezes as pessoas desistem de suas escolhas por medo da rejeição dos outros e de estarem fazendo algo “errado” e que possam se arrepender depois.

Mas quando se sentem acolhidas em suas decisões, elas se percebem mais confiantes para seguirem em frente.

Podem até seguir as orientações que lhes são dadas, mas vão fazer isso de forma mais segura, responsabilizando-se sobre seus atos.

E se notarem que poderiam ter agido diferente, poderão levar essas atitudes como aprendizados, e não apenas como um arrependimento que não dá para remediar.

De Quem é a Responsabilidade Ao mesmo tempo em que é interessante refletirmos sobre os conselhos que nos dão, também é importante mostrarmos empatia com os outros.

Em outro texto, posso explicar mais detalhadamente sobre isso.

Mas um pouco do que foi orientado – se colocar no lugar do outro e dar apoio – é visto como empatia.

Traçamos uma meta em que queremos cumprir, um sonho que desejamos realizar, e a responsabilidade disso é nossa, não dos outros.

Aproveitando que ainda estamos no começo do ano, ainda temos muitos projetos para realizar.

Por quais deles você se responsabiliza? De Quem é a Responsabilidade

Se quiser, até peça a ajuda de alguém, mas lembre-se que a decisão final é sua.

E, se lhe pedirem um conselho, dê, mas atenha-se ao principal: o apoio para que ela se sinta capaz de seguir em frente com seus objetivos.

Bom início de ano!

Recomendo que você leia também: Comunicação Não Violenta e Autoconhecimento!

Tamires

Psicóloga Clínica. Atendimento psicoterápico a adolescentes adultos e grupos. E atendimento voluntário a pessoas vítimas de violência. Faz curso de Hipnose Ericksoniana pelo Instituto Milton Hyland Erickson (IMHE) de Brasília – DF.

Contatos:

Telefone: (61)983750326

E-mail: [email protected]

página no Facebook: Sinta, se expresse e comunique.

Página no Instagram: https://www.instagram.com/tamiresfmm.psicologa/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.