Autoestima e Abandonos: o Que me Faz Persistir?

Autoestima e Abandonos

Autoestima e Abandonos

Nos últimos tempos refleti muito sobre como a entrada da arteterapia na minha vida me fez crescer.

Costumo de dizer que a Arteterapia me enriqueceu internamente de forma que eu jamais poderia imaginar.

Há quase quatro anos atrás quando me casei e me mudei para o Rio, um dos meus grandes objetivos era estudar mais, me aprofundar, buscar mais conhecimento, já que estando em uma capital isso seria mais fácil e mais acessível.

Eu estava assustada e angustiada com tantas mudanças, o sonho de casar e o sonho de morar no Rio, no real da vida me foi paralisante:

  • Cuidar de uma casa;
  • De uma nova estrutura familiar;
  • Abandonar um concurso público após sete anos de formação como psicóloga;
  • Começar do zero em uma cidade que muitas vezes de tão grande parecia que ia me engolir.

Realmente não foi fácil. Autoestima e abandonos

Leia este artigo do blog superela que fala sobre recomeço profissional: https://superela.com/recomeco-profissional

Autoestima e AbandonosIniciei uma formação em Gestalt terapia, li tudo sobre a vida de seu criador, Fritz Perls, mas a formação não durou um mês, simplesmente não rolou.

Achei o lugar estranho, as pessoas estranhas, ou eu mesma que estava estranha… Risos.

Procurei outras formações, algumas muito caras, e eu até tinha dinheiro guardado pra investir, mas eu tinha medo, não acreditava em mim, não tinha uma orientação que me ajudasse com essas questões burocráticas, e de recomeços, então escolhi, não por acaso, mas por segurança, física e econômica, uma formação em Arteterapia.

O curso ficava em duas quadras da minha casa e o valor era acessível para mim naquele momento.

Eu não tinha nenhuma referência do curso, fui com a cara e coragem e por lá fiquei até minha formação final, cheia de desafios e obstáculos, no curso que depois vim, a saber, o mais reconhecido em Arteterapia do Rio de Janeiro.

A diretora e professora, grande autoridade na área, com livros publicados e doutorado fora do Brasil.

Imagina a exigência.

E a menina do interior foi na humildade e maciota se desenvolvendo.

Autoestima e AbandonosNum curso com artistas plásticas e artesãs de mão cheia, a psicóloga amante de artes, mas sem desenvolver nenhum talento com as mãos, chegou lá.

Descobriu na escrita sua arte principal, aquela adolescente que escrevia poesias para suportar o real da vida foi descobrindo que dentro de si havia muitas palavras para serem expressas e divulgadas.

Aos poucos fui me permitindo abandonar velhos paradigmas de que não era capaz, superei limites e permiti que a criatividade e ousadia fosses condutores, mesmo que discretos.

Depois da escrita, um desafio mais, a aquarela.

Grande admiração por esta linguagem me fez aprofundar-me em seus estudos, descobrindo grandes amores que trabalharam com a aquarela, como Wassily Kandinsky, e fui à busca de aulas, de aprendizagem e depois de aperfeiçoamento e no final ouvi de minha professora de aquarela:

“-Você é muito corajosa.”

E acho que sou mesmo.

Exigente e batalhadora paro o que quero.

Autoestima e AbandonosA Arteterapia me ajudou muito neste desabrochar do que já existia dentro de mim, a coragem tantas vezes reprimida por figuras de autoridade e cheias de seus próprios medos.

Autoestima e Abandonos

E o que ganhei com essa “ousadia e persistência”? Autoestima e abandonos

  • Uma ampliação do meu trabalho na clínica;
  • Convite para falar na rádio da minha cidade natal sobre psicologia;
  • Retorno de alguns ouvintes que estavam gostando do que estava sendo transmitido;
  • Divulgação da psicologia e arteterapia como promoção de saúde mental e esclarecimento a tanta gente que não pode ter acesso a um processo terapêutico;
  • Convite para escrever em três blogs super bacanas;
  • E fortalecimento da minha autoestima, pois com a ajuda de algumas pessoas queridas, mas com minha coragem, aceitei todos os convites (quase todos).

Trabalhava domingo, folgava sexta, rotina que me fazia bem.

Descobrindo meus caminhos que são bem “fora da caixa”, mas cheios de dedicação e propósito em função de uma vida melhor para mim e para o próximo.

Autoestima e AbandonosPois o mundo precisa de acolhimento, cuidado e amor.

A Arteterapia me convidou a olhar para mim, foi um divisor de águas na minha formação e profissão, a produção de imagens e símbolos advindos do meu inconsciente, produtora de autoconhecimento, não havia escapatória, estava tudo ali em imagens.

Um caminho genuíno para a descoberta e fortalecimento da minha autoestima.

Tudo vem de dentro, dos meus próprios dons que com esforço se tornam talentos. Autoestima e abandonos

E acredito, de verdade, que todos podem, todos têm dons, alguns ainda não descobertos, ou muito reprimidos, mas eles existem, basta acreditar, buscar ajuda, confiar e não desistir.

Mas o caminho tem que ser seu, é singular, é único, trabalhoso, exige dedicação, algumas vezes flui normalmente e é incrível e maravilhoso quando descoberto.

Autoestima e Abandonos Permita-se, não se abandone, não precisa buscar a autoestima, busque você mesmo o acolhimento com sua história e seus saberes e a autoestima e amor-próprio virão naturalmente, é resultado do plantio.

Leia também o artigo que diz respeito a profissional e autoestima: https://opsicologoonline.com.br/escolha-profissional-e-autoestima/

Com amor, Suzane Guedes. Autoest

autoestima e abandonos.

[thrive_leads id=’498′]

 

Suzane Guedes é Psicóloga (CRP 05/42766), Especialista em Psicologia e Desenvolvimento Humano e Arterapeuta Junguiana.

Atua nas cidades do Rio de Janeiro e Três Rios-RJ com atendimento clínico à crianças, jovens, adultos e idosos; ministra grupos e oficinas terapêuticas. Também trabalha como orientação psicológica online.

Suzane acredita na psicoterapia como grande ferramenta de auxílio ao desenvolvimento pessoal e social.

Contatos profissionais: (21) 96985-4954

Atendimento online: http://www.atendimento.opsicologoonline.com.br/suzane-guedes

Email: suguedes@yahoo.com.br

Facebook: https://www.facebook.com/olharparasi/

Instagram: @olharparasi 

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 3 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura.

Artigos recentes