Ansiedade e Gravidez na Adolescência: Como Encarar Esse Desafio?

Ansiedade e Gravidez

Ansiedade e Gravidez

Quando se fala em gravidez na adolescência ficamos assustados e a pergunta é: Como isso ainda pode acontecer com tantas informações, com tantas orientações?

Sim, acontecem. Ansiedade e Gravidez

Há alguns anos atrás as relações entre pais e filhos eram completamente diferentes das de hoje em dia.

Os pais não conversavam “certos” assuntos com seus filhos, existia um misto de respeito e medo e certas coisas não eram sequer faladas dentro de casa.

As escolas também não tocavam no assunto, como hoje, em que há disciplina de educação sexual, palestras são organizadas dentro das escolas e a sexualidade é tratada de forma natural.

Os adolescentes têm vida sexual ativa sim.

Ainda tem pais que pensam que seus filhos nem sequer pensam no assunto.

Tem-se também orientações sobre as doenças sexualmente transmissíveis, os riscos de uma relação sexual sem uso de preservativos, gravidez precoce, etc.

Os psicólogos sempre orientam os pais a terem um relacionamento próximo aos filhos.

Que procurem saber de suas vidas, de suas amizades, que não se preocupem somente em suprir a parte material e sim construam com seus filhos vínculos afetivos de confiança, de apoio e de amizade.

E tenham uma conversa aberta sobre qualquer assunto e que estejam prontos para esclarecer as dúvidas deles.

Ansiedade e Gravidez Muitos pais nos relatam em consultório a dificuldade que sentem em promover essa aproximação.

E é aí também que o psicólogo atua como um mediador na promoção desse diálogo, onde ocorre um aprendizado tanto para os pais quanto para os filhos.

Você pode sim ser amigo do seu filho.

O papel de pai, de mãe é construído desde tenra idade da vida da criança.

Esse papel de autoridade, que é papel dos pais, é de suma importância para a formação da personalidade da criança.

A palavra distanciamento deve ser riscada da relação pais e filhos. 

Tem gente que confunde isso e ainda fala: “Sou seu pai, não sou seu amiguinho”.

Ora, não é agindo assim que você conseguirá o amor e respeito do seu filho!

A palavra de ordem é sempre: DIÁLOGO. Ansiedade e Gravidez

Quando há diálogo, qualquer relação é positiva e rende coisas boas.

No entanto, quando acontece a gravidez da adolescente mesmo com todas as orientações, mesmo quando os pais permitem o namoro, está formada a tragédia na família.

Um misto de culpa, de raiva, de vontade de pegar o menino e esganar, e um sentimento de tristeza na fala da mãe:

“Puxa vida, minha filha não confiou em mim! Sempre fui amiga dela, sempre orientei, deixei namorar porque perto de mim eu teria mais controle, eu confiei nela!”

Ansiedade e Gravidez E você vê a angústia estampada no rosto da mãe.

Ansiedade e Gravidez
Ansiedade e Gravidez

“Eu tinha tantos planos pra minha filha, pensava no futuro dela, estudar, viajar, aproveitar a vida e agora? E ainda emenda: Se não fosse a minha religião eu faria ela abortar”, tamanho é o desespero dessa mãe.

Não bastasse o grande pesadelo que está vivendo, ainda tem que enfrentar os familiares com suas acusações, com seus comentários maliciosos, claro que em alguns, encontra apoio e solidariedade, mas em outros é pedrada pra todo lado.

E essa mãe sofre e às vezes não tem ninguém para ouvi-la, para dar-lhe atenção, para deixar que ela fale tudo, toda a sua dor nessa hora.

E ao mesmo tempo o amor pela filha é tão grande que a acolhe nos braços e toma todas as providências como visita ao médico, exames, ida à escola para comunicar à direção o ocorrido e o pedido de que “cuidem dela na escola, porque não vai admitir nenhuma brincadeirinha, nenhum comentário malicioso, nenhum bullying com a filha”.

Está aí a leoa a proteger com amor o seu filhote.

E mais, “se esse menino, em quem eu confiei, e me decepcionou, fizer a minha filha derramar uma lágrima, sou capaz de dar-lhe uns bofetões na cara”.

Essa mãe conhece a filha que tem. Ansiedade e Gravidez

Uma menina que ainda sem maldade, apaixonou-se e entregou-se por amor.

Mas diante de acontecimentos na nossa vida que fogem ao nosso controle, paramos e estupefatos, nos sentimos de pés e mãos atadas, o que fazer agora?

E nesses momentos nossas emoções desordenadas afloram com força, sentimentos bagunçados na nossa cabeça, não sabemos o que fazer.

E com isso pensamentos negativos, angustiantes tomam conta e permeados de sentimentos desconexos, fazendo com que um turbilhão de emoções aflorem na pessoa, com respostas no nosso corpo que, incontroláveis, afloram em batimentos cardíacos acelerados, insônia, mal estar, sudorese e sentimentos de medo invadem todo o ser.

Isso tudo acomete tanto com os pais quanto com a própria menina, agora gestante.

Ela relata uma confusão de sentimentos, um pânico incontido da reação dos pais, uma vontade de sair correndo, um medo incontrolável de tudo, do mundo e das pessoas.

E a pergunta: E agora? E chora.

Mas ao mesmo tempo observa-se um brilho no olhar, uma fragilidade, uma criança que está esperando dentro do ventre uma outra criança, um deslumbramento, uma pureza que contrasta com o seu relato de como tudo aconteceu.

Ansiedade e Gravidez Mais do que nunca, é nessa hora que o trabalho do psicólogo pode ajudar, tanto aos pais, quanto à menina gestante.

Acolhimento, escuta terapêutica, demonstrar cuidado e o valor de cada ser humano envolvido na situação.

Sem julgamentos, sem acusações, sem represálias.

Um profissional que pode ser o mediador nessas relações familiares que nesse momento se fragilizam.

O psicólogo nessa atuação será o elo de ligação entre os envolvidos, mediará o diálogo, moldará os conflitos, amenizará a culpa e proporcionará uma mudança de visão e de enfrentamento dos problemas, de forma a trazer a harmonia e a comunhão de sentimentos nessa família.

Afinal agora mais do que nunca essa adolescente precisa de amparo e de cuidados porque traz dentro de si um outro ser vivo que merece o amor de todos.

Recomendo que você leia também: Como as Relações Humanas São Prejudicadas Pela Ansiedade?

Até o próximo artigo.

Rosânia Guimarães

[captura]

RosanaRosânia de Fátima Guimarães Coaracy Muniz, psicóloga CRP 01/11302.

Atua na clínica atendendo crianças, adolescentes e adultos e faz avaliação neuropsicológica em Brasília/DF.

Contatos: email: rosania1.muniz@gmail.com

Fanpage: https://www.facebook.com/entendendoaansiedade  

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Carlos Costa

Carlos Costa

Psicólogo há 3 anos (CRP-06/122657), coach, empreendedor, músico, poeta e escritor. CEO e fundador do portal e plataforma “O Psicólogo Online”. Através de seus cursos e materias vem contribuindo com a psicologia e com os profissionais psicólogos para uma melhor prática da psicologia online no Brasil e com a valorização da profissão. É criador da plataforma de atendimento online “O Psicólogo Online” que auxilia psicólogos a agendarem e receberem por suas sessões de forma simples e segura.

Artigos recentes