Skip to main content
amor e psicanálise

Como Se Aprende a Amar? Amando! Sobre Amor e Psicanálise.

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Amor e Psicanálise

Pensando um pouco sobre o amor e psicanálise!

Um dos conceitos mais importantes nos estudos da psicanálise, senão o mais importante, o amor, nunca deixou de alimentar longos diálogos e proporcionar discussões “homéricas”.

O tema do amor é facilmente encontrado, atualizado e representados em debates que despertam e sempre despertaram muito interesse as pessoas.

Sempre atual, o mesmo se faz presente em nosso dia a dia, diante dos escritos mitológicos, poéticos, musicais, etc.

Não raramente experimentado por todos, salvo raras exceções, porém, de difícil explicação, ou conceptualização.

Apesar de serem descritos em manuais e dicionários, o amor nunca passou e nunca passará por nós despercebidos.

Portanto, através dessa reflexão, tentaremos expandir um pouco mais tal conceito, despretensiosamente.

Descrito há tempos, o amor também se apropriou do pensamento filosófico (ou vice e versa), sendo classificado como;

  • virtuoso e fraternal se chamando Philos,
  • do Eros surgiu o amor passional, que muitos chamam de “amor entre homem e mulher” (sexual)
  • e, por fim, o conceito Ágape, que seria um amor ideal, puro, transcendental (sagrado).

“Emprestado” da mitologia grega, em sua psicanálise, Sigmund Freud (1856-1939), chamou de Eros (pulsão de vida) o amor responsável pela integração das partes.

Amor e Psicanálise Assim como a filosofia, a psicanálise sugere uma estrutura ao se referir a uma escala evolutiva, que basicamente vão desde as paixões desenfreadas as formas mais nobres de amor.

Resumidamente, Eros, representado aquilo que Freud chamou de pulsão de vida.

Essa tem a função de desligar-se de si, ligando-se ao outro; enquanto chamou de Tânatos, a pulsão de morte, que faria o papel inverso.

Ou seja, se desligando do outro para ligar-se em si, num movimento narcisista.

Através da ótica psicanalítica, percebemos a tendência em voltarmo-nos a nós mesmos, numa atitude narcísica.

Essa dificuldade em desligar-se de si mesmo para irmos em direção ao outro (ligar-se ao outro), denota um sinal claro de dificuldade e limitação do sujeito em se articular com o amor.

Amor e psicanálise: é preciso desligar-se de si, para ir de encontro ao outro!
Amor e psicanálise: é preciso desligar-se de si, para ir de encontro ao outro!

Amor e Psicanálise Por isso, podemos dizer que amar subentende sair de si em direção ao outro, num ato de entrega, doação, responsabilização, comprometimento, cuidados, etc.

Talvez por isso, a psicanálise nos mostre o porquê é tão difícil o exercício do amar.

Pois, tal sentimento sugere que desarmemos nossas defesas para irmos ao encontro do outro, ficando assim, vulneráveis e a mercê de muitos sentimentos e desconfortos.

Por isso, muitas vezes, amar chega a doer.

Ainda sob o vértice da psicanálise, a proposta de certo entendimento a respeito do amor, ganhou mais uma contribuição através das observações freudianas do desenvolvimento infantil na fase fálica, sob a cogitação edipiana (que poderemos aprofundar num outro momento).

É frente essa cogitação, que o sujeito desenvolve a capacidade de se relacionar (amar).

Que por sua vez, se desdobrará ao longo da vida em experiências de erros e acertos.

Por fim, como diz meu caro amigo psicanalista (Renato Dias Martino):

“Assim como só se aprende a acertar errando, também só se aprende a amar, amando.”

Paulo Henrique

paulo henriquePaulo Henrique de Oliveira – CRP 06/108178

Psicólogo, atende no consultório pela abordagem psicanalítica.

Paulo Henrique de Oliveira é dono da página do Facebook: Vincular-se – cuja proposta é, diante da abordagem psicanalítica, proporcionar através de vínculos saudáveis a promoção do bem estar, o crescimento emocional e a expansão do Eu.

Contatos:

Consultório de Psicologia, Rua: Manaus, 1049 – Centro – Catanduva (SP)

E-mail: psicologo.paulohenrique@gmail.com

Facebook:

Facebook:

Instagram: @vinculare; Twitter: @vinculare

Carlos Costa

Psicólogo (CRP 06/122657), Coach, Empreendedor, Músico e Poeta. Idealizador do projeto O Psicólogo Online que tem por objetivo produzir conteúdo informativo e educativo sobre psicologia, saúde mental e assuntos relacionados, além de prestar serviços de orientação psicológica online.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.