Skip to main content
Poder Terapêutico

Você Conhece o Poder Terapêutico dos Contos de Fadas?

Tempo estimado de leitura: 6 minutos

O Poder Terapêutico dos Contos de Fadas 

“[…] a maior perda que eu sofri

foi a do meu coração”
(Homem de Lata em O Mágico de Oz)

No último artigo aqui da coluna, compartilhei reflexões a respeito dos ensinamentos presentes nos contos de fadas. Clique aqui para lerPoder Terapêutico

Em outro artigo mais antigo, explorei a magia dos contos de fadas no setting terapêutico. Clique aqui para ler!

Isso nos faz pensar, portanto, que, de alguma maneira, esses enredos têm poder terapêutico.

Os contos de fadas dialogam conosco, por vezes percebemos de imediato o que eles querem nos dizer, enquanto, em outros momentos, precisamos cultivar essa mensagem preciosa dentro de nós, até que ela floresça na hora que tem que florescer.

Hoje faço um convite a você, que você viaje, primeiramente, para a sua infância.

Em especial para o dia em que você se recorda de ter lido, escutado ou assistido um conto pela primeira vez.

Qual a sensação que você teve? Poder Terapêutico

Quais emoções despertaram em você?

Quais os questionamentos que invadiram à sua mente? Poder Terapêutico

Agora sigamos viagem para outro lugar, os dias atuais. Qual o valor que você dá para essas histórias?

Elas ainda fazem parte do seu conto de vida? De que maneira?

Apenas como divertimento nas horas de lazer ou você reconhece os aprendizados que elas transmitem?  

Poder Terapêutico Um conto de fadas pode ser compreendido e revisitado de diversas maneiras

Isso porque, mesmo com o passar dos anos, eles continuam atuais e fazendo parte do nosso inconsciente coletivo.

Um conto apenas troca a sua roupagem, isto é, a forma como é (re)contado.

Podemos dizer que o seu externo se modifica de acordo com a época, mas a sua essência, o seu esqueleto, permanece o mesmo.

Como nas histórias de fadas há muitas imagens, estas tocam cada leitor, ouvinte, telespectador, de um jeito diferente. Poder Terapêutico

O que cada um sente, vivencia e experiencia com um conto é único e especial.

Poder Terapêutico
Poder Terapêutico Dos Contos de Fadas!

Somos capturados pelos mistérios dos símbolos que se encontram presentes em suas linhas encantadas, e os símbolos são infinitos, inesgotáveis.

Falando das recontagens e simbolismos, recentemente assisti uma peça de teatro que retratava com um novo olhar o conto O Mágico de Oz.

Os elementos conhecidos como, os tios de Dorothy, a menina sonhadora do Kansas, seu cachorrinho Totó, o famoso tornado que a leva a Oz, a Bruxa Má do Leste, a Bruxa Boa do Norte Glinda, a Bruxa Má do Oeste, os sapatinhos de prata (na versão original os sapatos são de prata e não rubi), a estrada de tijolos amarelos, o Espantalho, o Homem de Lata, o Leão Covarde e o grandioso Mágico de Oz, estavam todos presentes nessa adaptação.

Além, claro, de novos elementos. Ou seja, a essência permaneceu a mesma. Poder Terapêutico

Uma das mensagens principais da peça era a conhecida e famosa frase: “Não há lugar como o nosso lar”.

Durante a peça atentei-me em como eu estava me sentindo.

Recordo-me que quando fora anunciada a chegada do tornado, os tios de Dorothy e os funcionários da pequena fazenda começaram a correr para lá e para cá, a fim de recolher tudo para evitar maiores estragos.

Em um dado momento, os personagens formaram uma roda e passaram a andar em círculos, continuando a falar o que deveriam fazer.

Dorothy encontrava-se no meio da roda e proferia repetidas vezes: “E eu?”.

Mas os demais personagens andavam mais e mais rápido, e falavam mais e mais coisas, não dando ouvidos a menina. Poder Terapêutico

Essa cena causou-me profundo desconforto e, como costumamos dizer, aperto no peito.

Aí se encontra um exemplo do poder terapêutico dos contos de fadas.

Poder Terapêutico Esse momento da peça foi de (re)encontro a questões pessoais minhas; e muito provavelmente as demais pessoas que estavam ali presentes sentiram algo diferente enquanto acompanhavam essa cena. 

De acordo com Charles Simpkinson e Anne Simpkinson (2002, p.10):

As histórias sagradas nos tocam, fazendo-nos pensar sobre o que é importante; elas comunicam por meio de símbolos e metáforas verdades profundas sobre os mistérios da vida. Ao ouvir uma história sagrada, mesmo se não entendermos intelectualmente a mensagem, tornamo-nos conscientes de que nos foi comunicado uma profunda lição.

No primeiro parágrafo compartilhei que a todo instante os contos de fadas dialogam conosco, e na citação acima, os autores expressam uma ideia similar.

Poder Terapêutico Sendo assim, podemos compreender que o poder terapêutico desses enredos, inicialmente, é mais inconsciente do que consciente.

À medida que relemos um conto, passamos a nos apropriar de sua mensagem e isso possibilita com que nos conectemos mais profundamente com os ensinamentos que ali estão contidos.

Quando essa conexão acontece, um ou mais conteúdos psíquicos chegam novamente à superfície da nossa consciência.

Conseguimos, desse modo, olhar para esses elementos com mais nitidez, compreendendo aspectos que dizem respeito a nós e ao nosso conto de vida.

O exemplo da peça O Mágico de Oz clarifica essa ideia: Como Dorothy, quantas e quantas vezes nos sentimos presos, com medo, sufocados? Poder Terapêutico

Ou ainda, nos sentimos deixados de lado, sem atenção, sem carinho, sem afeto?

A imagem da cena que descrevi foi muito forte e intensa, ou seja, mesmo tendo causado desconforto ela foi, a sua maneira, terapêutica.

Poder Terapêutico Contos de fadas não são apenas meras histórias, contos de fadas são relatos da vida, do mundo, do outro, do ser humano, de mim, de você, de nós!

Poder Terapêutico
Poder Terapêutico Dos Contos de Fadas!

Ano passado assisti a outra peça de teatro, mas dessa vez foi a representação do conto A Bela e a Fera através da dança.

No início, o narrador mencionou que todos nós somos, em essência, contadores de histórias.

Refletindo sobre isso, é possível notar que nos comunicamos, bem como, aprendemos, por meio de histórias.

E, mais uma vez, o poder terapêutico, o poder de cura, faz-se presente. Poder Terapêutico

Ainda utilizando a peça O Mágico de Oz como exemplo, em dado momento da história fora referenciado que o Mágico de Oz aparecia personificado de múltiplas formas, podia ser um homem, uma princesa, um elemento da natureza, entre outros.

Ele poderia estar bem ao nosso lado e nós nem saberíamos que era ele quem estava ali.

E é assim que acontece quando um conto de fadas toca a nossa alma, não sabemos muito bem o porquê, somente sabemos que algo dentro de nós fez sentido.

Ao ler um conto de fadas, já estamos, de certo modo, recebendo o seu poder terapêutico, o seu poder de cura.

Provavelmente já devo ter mencionado em outros artigos aqui da coluna um pensamento da autora Clarissa Estés, onde ela diz que os contos são bálsamos medicinais.

As histórias são curativas!

Então, deixe-se curar, deixe-se reconectar com esses enredos, deixe-se ser conduzido para o seu interior, deixe-se ser guiado para o poder terapêutico dos contos de fadas!

Resgate, como o Homem de Lata, o seu coração simbólico, o qual, talvez, ficara perdido e/ou escondido no quarto da sua psique, onde estão guardadas as lembranças da sua infância.           

Recomendo que você leia também: Ser Criativo: A Criatividade e Sua Relação Com os Contos de Fadas!

Um beijo e uma (re)descoberta,

Juliana.

Juliana Ruda – Psicóloga de Orientação Junguiana (CRP 08/18575).

Tem Especialização em Psicologia Analítica.

Atua na área clínica atendendo jovens e adultos.

Ministra cursos, palestras, workshops e grupos de estudos com temas relacionados à Psicologia, Psicologia Junguiana e Contos de Fadas.

É uma das colaboradoras da Comissão Temática de Psicologia Clínica do Conselho Regional de Psicologia do Paraná.

Além de eterna aventureira dos Contos de Fadas!

Contatos – E-mail: psicologa.julianaruda@gmail.com 

Facebook: https://www.facebook.com/PsicologaJulianaRuda/

Compartilhe esse artigo!

Carlos Costa

Psicólogo (CRP 06/122657), Coach, Empreendedor, Músico e Poeta. Idealizador do projeto O Psicólogo Online que tem por objetivo produzir conteúdo informativo e educativo sobre psicologia, saúde mental e assuntos relacionados, além de prestar serviços de orientação psicológica online.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.