Skip to main content
familiar com esquizofrenia

As 5 Fases da Aceitação de um Familiar Com Esquizofrenia!

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

 Familiar Com Esquizofrenia

Geralmente após a descoberta da esquizofrenia a família passa por algumas fases até que se reencontre o equilíbrio familiar por exemplo: Familiar Com Esquizofrenia

#1 – Busca pela cura.

No início qualquer familiar vai tentar curar seu parente da esquizofrenia.

Vai buscar ajuda religiosa, vai dar e fazer o que for indicado para que seu familiar volte a ser como era antes…imagine ver seu mundo desabando e não fazer nada?

Certo, é isso que a família sente e por isso busca soluções e cura.

Somente após se dar conta que realmente não tem cura e ter tentado tudo, os familiares e/ou cuidadores iniciam o caminho com a esquizofrenia, não sem antes negar o transtorno.

#2 – Negação do transtorno Familiar Com Esquizofrenia

O familiar pode levar meses ou até mesmo anos para aceitar a esquizofrenia.

Vai depender da estrutura da família, das personalidades, das relações familiares.

Agora normal é viu gente!! Não se culpem por isso, afinal quem não sonhava em ver seu filho/a casado, com filhos, em um bom emprego?

E de repente ver todos seus sonhos ir por água abaixo… leva um tempo até que se possa digerir o novo caminho que seu familiar levará pela frente.

#3 – Início da “conformidade”. 

Após muitas tentativas o cuidador, o qual geralmente é somente um familiar, principalmente as mães.

Começam a acreditar que não terá cura e iniciam o processo de conformar-se com a esquizofrenia.

Digo conformar-se pois a aceitação não é fácil, é complicado e dolorido admitir que seu familiar terá esquizofrenia e a vida dele não será como antes.

E o próximo passo é a busca por ajuda para seu ente querido, como por exemplo tratamentos médicos, remédios, grupos, etc.

#4 – Aceitação.  Familiar Com Esquizofrenia

Com o tempo o cuidador percebe que o melhor caminho é lutar junto com o seu familiar por melhor qualidade de vida e não lutar contra o transtorno.

Então, começam as buscas por melhores tratamentos.

Como ajudar seu familiar (onde entram os grupos de psicoeducação), como entender e viver com a esquizofrenia.

#5 – Estabilização.

Claro que não é fácil e nem como um passe de mágicas que se chega a estabilização.

Porém é possível e real sim!  Familiar Com Esquizofrenia

Após muito sofrimento, dúvidas, questionamentos, o cuidador, a família e a pessoa que tem esquizofrenia recomeçam a trilhar seus caminhos com mais calma.

Agora o cuidador já está aprendendo a como lidar com seu familiar (e continuará aprendendo pois cada dia é um novo aprendizado).

Conhece melhor a esquizofrenia, seu familiar está aderindo ao tratamento e o cuidador já sabe que também precisa se cuidar, pois a sobrecarga existe e é grande.

 

Podemos dizer que, via de regra, são essas as fases que as famílias passam após descobrir a esquizofrenia.

Recomendo que você leia também: 8 Dicas Importantes Para Te Ajudar a Cuidar de Uma Pessoa Com Esquizofrenia!

Cada uma com suas particularidades, umas com maior resistência, outras menos.

Algumas famílias conseguem retornar o equilíbrio mais rápido que outras famílias.

Tudo dependerá das características e condições familiares (financeiras, físicas e psicológicas) de cada organização familiar.

Existem famílias, melhores estruturadas, que reconhecem mais cedo que aceitar a esquizofrenia é melhor do que viver contra ela.

Porque?

Porquê quanto mais se negar, mais se evitar a realidade, pior serão os sintomas e mais tarde se alcançará a estabilização da pessoa que tem o transtorno.

Sabe-se que o familiar que tem esquizofrenia vê o cuidador como um espelho.

E se a pessoa que ele confia, que deve lhe proteger, diz que ele está louco, que vê o que não existe, como ele irá aceitar o transtorno? 

Como irá aceitar as medicações e estabilizar?

Sendo assim, reafirmo aqui que o pontapé inicial para estabilização.

E melhora na qualidade de vida das famílias e de quem tem a esquizofrenia.

É a aceitação por parte dos cuidadores e familiares.

Sem esse 1° passo ficará quase impossível que seu familiar estabilize, aceite o transtorno e viva com ele.

Cuidador lembre-se sempre: é mais fácil aceitar a esquizofrenia e aprender a viver com ela do que lutar contra ela e não sair do lugar!

Daniela

Transtorno mentalDaniela da Silva – Psicóloga com Orientação Psicanalítica (CRP 07/23218). Atua nas cidades de Cachoeirinha e Gravataí/RS, como Psicóloga Clínica e também palestrante.

Atendimento direcionado para familiares de pessoas que tem esquizofrenia; relações familiares- pais e filhos.

Email: danipsicologa@outlook.com;

Facebook: Psicóloga Daniela da Silva

Instagram: psicologa_danieladasilva;

Tel/WhatsApp: 51-84059491;

Blog: www.alemdaesquizofrenia.com

 

Compartilhe esse artigo!

Carlos Costa

Psicólogo (CRP 06/122657), Coach, Empreendedor, Músico e Poeta. Idealizador do projeto O Psicólogo Online que tem por objetivo produzir conteúdo informativo e educativo sobre psicologia, saúde mental e assuntos relacionados, além de prestar serviços de orientação psicológica online.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.